Uma brasileira de 21 anos morreu atingida por um tiro na cabeça no último dia 11 dentro do apartamento em que morava em Buenos Aires (Argentina). De acordo com a polícia, o namorado matou a jovem e se suicidou. Até esta sexta-feira, a família ainda não havia conseguido a liberação do corpo para trazê-lo ao Brasil.

De acordo com informações do consulado brasileiro em Buenos Aires e de amigos da vítima, Fernanda Correia Soares morava havia dois anos na Argentina. Ela fazia um curso de comissária de bordo e um de técnica em medicina veterinária.

Fernanda namorava com o argentino Edgardo Ruben Angelino, 28, com quem terminou a relação pouco antes de morrer, segundo o amigo da vítima Tiago França.

Segundo ele, Angelino era um rapaz muito ciumento e não aceitou o término da relação. "Eu estive em Buenos Aires com ela em fevereiro deste ano. Eles se davam muito bem, é muito estranho isso ter acontecido", afirmou França.

A polícia encontrou uma carta no apartamento onde foram encontrados os corpos, assinada por Angelino, na qual ele assume a autoria do crime.

A Folha Online tentou entrar em contato com a família de Fernanda, sem sucesso.

Transporte

Tiago França disse também que a família de Fernanda está com dificuldades para trazer o corpo dela de volta ao país. O consulado brasileiro em Buenos Aires informou que o corpo ainda não foi liberado pelas autoridades argentinas porque envolve uma investigação criminal.

Segundo o consul-adjunto em Buenos Aires, Alexandre Silveira, o consulado prestou toda a assistência que lhe cabe, mas não pode ajudar a família a transportar o corpo.

"Por não ter dinheiro para pagar, a família solicitou que o consulado arcasse com as despesas de transporte do caixão da vítima [orçado em cerca de R$ 17.000, segundo Silveira], mas isso não é atribuição consular", afirmou o cônsul-adjunto.

De acordo com o Itamaraty, não é atribuição de um consulado "arcar com despesas de sepultamento, cremação, embalsamamento e transporte de restos mortais para o Brasil".

Pelo alto custo do transporte, a família teria decidido cremar o corpo de Fernanda para trazê-lo ao país. Segundo o consulado, cremar um corpo em Buenos Aires custa cerca de R$ 650.