Miami e Paris foram os destinos preferidos dos deputados paulistas que utilizaram as passagens aéreas pagas pela Câmara dos Deputados em viagens ao exterior em 2007 e 2008.

A meca americana dos turistas e sacoleiros e a cidade luz lideram levantamento feito pela Folha com base nos dados divulgados pelo site Congresso em Foco sobre o uso de passagens aéreas.

Entre janeiro de 2007 e outubro de 2008, foram 43 voos tendo Miami como destino ou saída e 41 Paris. Em seguida, aparecem Buenos Aires (36), Nova York (34) e Milão (24). Cada trecho equivale a um voo.

No total, as viagens ao exterior feitas por deputados paulistas representam 11,1% do total de 1.883 de todos os deputados da Casa que se utilizaram das passagens nesse período.

Quando se considera os parlamentares de todos os Estados, as cidades com mais voos registrados são Miami (576), Paris (305) e Nova York (253).

Do total de 70 deputados federais em exercício por São Paulo, pelo menos 27 utilizaram passagens (38,5%). Considerando o total, 51% dos 513.

Os tucanos paulistas foram os que mais solicitaram a emissão dos bilhetes aéreos internacionais, com nove deputados. Em seguida, estão os petistas do Estado, com cinco.

Os dez que mais viajaram foram Arnaldo Faria de Sá (PTB), Jilmar Tatto (PT), Regis de Oliveira (PSC), Vadão Gomes (PP), Bispo Gê (DEM), Devanir Ribeiro (PT), João Paulo Cunha (PT), Nelson Marquezelli (PTB), Ricardo Trípoli (PSDB) e Vanderlei Macris (PSDB).

Completam a lista de viajantes os tucanos Duarte Nogueira, Carlos Sampaio, José Aníbal, Fernando Chucre, Lobbe Neto, Renato Amary e William Woo; os petistas José Genoino, Carlos Zarattini e Ricardo Berzoini; Beto Mansur e Celso Russomano, do PP; Ivan Valente (PSOL), João Dado (PDT), José Paulo Toffano (PV) e Valdemar Costa Neto (PR).

O nome de Ricardo Izar (PTB), morto no ano passado, e de Jorge Tadeu Mudalen, licenciado, também integram o levantamento, que considera só empresas aéreas brasileiras.

Passagens

Assim como deputados de outros Estados, os paulistas também emitiram passagens para terceiros, em muitos casos, seus parentes.

Dos 29 trechos de Faria de Sá, por exemplo, apenas 2, segundo o levantamento, foram emitidos no nome do próprio deputado. O destino predileto dos que receberam bilhetes do petebista foi Miami.

Tatto emitiu bilhetes para 28 trechos pulverizados entre Nova York e Milão (ITA). Apenas quatro foram no nome dele.

Dos oito bilhetes solicitados pelo tucano Macris, nenhum estava em seu nome.

Genoino, ex-presidente do PT, emitiu bilhetes nos nomes de sua mulher, Rioco, e de seu filho Ronan. O destino: Madri.

Outro petista, Devanir Ribeiro, emitiu bilhetes sempre para o mesmo trecho, São Paulo-Buenos Aires, sendo que apenas um estava em seu nome.

A Folha tentou falar ontem com Faria de Sá e Tatto, os dois primeiros no ranking paulista de viagens. No caso do primeiro, a secretária de seu escritório em São Paulo afirmou que ele não poderia atender ao telefone e ligaria para o repórter. Até o fechamento desta edição ele não havia telefonado.

Foram deixados recados no gabinete e no celular de Tatto, que também não ligou de volta.

Recordista

Considerando o ranking total disponibilizado pelo Congresso em Foco, o deputado Dagoberto Filho (PDT-MS) é o líder no número de voos. Foram 40 ao todo. Ele está em seu primeiro mandato na Câmara Federal.

Nogueira Filho é seguido por Leo Alcântara (PR-CE) e Marcelo Teixeira (PR-CE), ambos com 35 trechos. Os paulistas Faria de Sá e Jilmar Tatto também estão no topo da lista que considera todos os deputados. Eles estão em quarto e quinto lugares, respectivamente.

A Câmara já prometeu adotar medidas que proíbem a emissão de passagens aéreas para parentes e terceiros.


Arte/Folha