Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true

O longa-metragem “Guerra ao terror” derrotou a superprodução "Avatar" e foi consagrado com seis Oscars na noite deste domingo (7), em Hollywood. O longa-metragem de Kathryn Bigelow, que concorria a nove estatuetas, venceu nas categorias melhor filme, direção, roteiro original, montagem, edição de som e mixagem de som. É a primeira vez que uma mulher vence o Oscar de melhor direção.

"Não há outra maneira de descrever isso: é o momento da minha vida", disse Bigelow no palco - a diretora é ex-mulher de James Cameron, seu principal rival na noite de domingo. 

Bigelow, que é a quarta mulher na história a ser indicada para o Oscar de direção, dedicou o prêmio "aos homens e mulheres do exército" que lutam no Iraque e no Afeganistão. "Que eles possam voltar para casa sãos e salvos."

"Avatar", que dividia com "Guerra" a liderança na disputa, levou para casa três estatuetas, todas de categorias técnicas: melhor direção de arte, fotografia e efeitos visuais. "O que nós fizemos com \'Avatar\' foi pegar coisas que estão aí fora no mundo diariamente e torná-las maiores, mais brilhantes. Toda nossa inspiração veio do mundo real, e eu queria encorajar as pessoas a saírem e olharem para elas", disse o diretor de efeitos visuais Loe Letteri, ecoando as mensagens ecopacifistas da fantasia épica de James Cameron.

\'Bêbado\' e sentimental

Indicado quatro vezes ao Oscar no passado, Jeff Bridges finalmente venceu o prêmio de melhor ator por seu papel no longa-metragem “Coração louco”. 

Ao receber a estatueta das mãos de Kate Winslet, Bridges agradeceu aos pais, mortos recentemente. "Obrigado, mãe e pai, por fazerem eu me interessar por uma profissão tão bacana. Ó, meu pai e minha mãe, eles gostavam tanto do showbiz... sinto-me uma extensão deles. Sabe, isso é uma honra tanto para eles quanto para mim", disse o ator, estendendo os agradecimentos à equipe do filme. "Que maravilha que vocês trouxeram o seu coração para esta produção", completou. 

História de um cantor country bêbado e decadente, "Coração louco" havia sido indicado para outros dois prêmios, dos quais acabou levando também o de canção original, por "The weary kind". 

A melhor... e a pior atriz

Aos 20 anos de carreira, Sandra Bullock venceu o Oscar de melhor atriz com sua primeira indicação por "Um sonho possível". Ela dedicou o prêmio às suas concorrentes na categoria, as novatas Carey Mulligan e Gabourey Sibide e as veteranas Helen Mirren e Meryl Streep - "que sabe beijar muito bem", disse. Em janeiro, as duas deram um beijo na boca no palco do Critics\' Choice Movie Awards. 

A atriz de 45 anos recebeu a estatueta das mãos de Sean Penn e chorou ao agradecer a familiares e amigos que a apoiaram ao longo da carreira. "Obrigada por me lembrarem que todos nós merecemos amor", disse Bullock, que apenas um dia antes havia sido eleita pior atriz no prêmio Framboesa de Ouro por seu papel na comédia romântica "Maluca paixão".

Coadjuvantes

Entre os atores coadjuvantes, saíram vitoriosos o austríaco Christoph Waltz, vilão nazista de “Bastardos inglórios”, e Mo’Nique, de “Preciosa”. 

Favorito na categoria, Waltz garantiu a única estatueta do filme de Quentin Tarantino, que estava indicado em oito categorias no total, incluindo melhor filme e direção.

O ator recebeu a estatueta das mãos de Penélope Cruz e agradeceu especialmente a Tarantino , a quem chamou de "explorador de métodos não-ortodoxos". “Isto é pelo seu abraço de boas-vindas. Não sei como agradecer”, disse Waltz, que também brincou com o fato de estar recebendo o troféu das mãos da bela atriz espanhola. "Oscar e Penélope, isso sim é um über-bingo!" 

Com mais seriedade, Mo\'Nique agradeceu por ter sido escolhida como melhor atriz coadjuvante. "Gostaria de agradecer à Academia por mostrar que [a vitória] pode vir do desempenho e não da política", disse. “Às vezes temos que esquecer o popular e fazer o que é certo.” 

Mo\'Nique é a quarta atriz negra a vencer uma estatueta, após Hattie McDaniel, Whoopi Goldberg e Halle Berry. A comediante de 42 anos, que interpreta a mãe da protagonista de "Preciosa", já tinha vencido prêmios considerados prévias do Oscar, como o Globo de Ouro e o SAG. O longa também venceu o Oscar de melhor roteiro adaptado.

É da Argentina!

Também com dois prêmios ficou a animação “Up – Altas aventuras”. A produção da Disney/Pixar venceu o Oscar de melhor animação. “Foi uma aventura maravilhosa fazer esse filme. Nunca imaginei que brincar de cineminha com o meu livro da terceira série fosse me levar a isso", disse o cineasta Pete Docter ao ganhar o prêmio das mãos da atriz Cameron Diaz. 

“Up" também venceu o troféu de melhor trilha sonora. "Muitas pessoas disseram a mim: \'Você me fez chorar\'. E isso só aconteceu porque eu mesmo chorei quando assisti ao filme", disse Michael Giacchino, autor da trilha da animação. 

Na categoria melhor filme estrangeiro, a produção argentina “O segredo dos seus olhos” surpreendeu ao derrotar o favoritismo de “A fita branca”, filme de Michael Haneke que foi o vencedor da Palma de Ouro deste ano em Cannes. 

Falando em inglês, o diretor Juan Jose Campanella brincou: “Agradeço à Academia por não ter considerado Na’vi uma língua estrangeira”.

\'Stivatar\'

Um dos destaques da noite foi o ator Ben Stiller, que arrancou gargalhadas da plateia ao aparecer vestido de personagem de "Avatar". "Parecia uma boa ideia durante o ensaio", disse Stiller, fingindo constrangimento ao subir ao palco com a pele pintada de azul e simulando a língua Na\'vi, povo fictício que protagoniza a superprodução. "A ironia é que \'Avatar\' nem foi indicado a esse prêmio", completou o humorista ao apresentar a categoria melhor maquiagem.

Ele anunciou a vitória de "Star Trek", que derrotou "Il divo" e "The young victoria". "Podia ter vindo fantasiado de Dr. Spock, mas seria muito nerd", brincou Stiller.

Apresentada pela primeira vez por uma dupla, a cerimônia teve Steve Martin e Alec Baldwin como anfitriões. 

Eles subiram ao palco com um número musical e fizeram piadas com a maioria dos indicados da noite. “Não importa o que aconteça, eles sempre indicam a Meryl Streep, por isso ela é recordista de indicações, ou melhor, tem o maior número de derrotas”, disparou a dupla, que também apresentou uma sátira ao sucesso de bilheteria “Atividade paranormal”.

Além dos dois atores, participaram da premiação Kate Winslet, Sarah Jessica Parker, Charlize Theron, Robert Downey Jr., Penélope Cruz, John Travolta, Matt Damon, Miley Cyrus, Zac Efron, Cameron Diaz, entre outras estrelas, que entregaram estatuetas aos vencedores. 

Veja a lista de vencedores

Melhor Filme: "Guerra ao Terror" de Kathryn Bigelow, Mark Boal, Nicolas Chartier e Greg Shapiro

Melhor Direção: Kathryn Bigelow, "Guerra ao Terror"

Melhor Atriz: Sandra Bullock, "Um Sonho Possível"

Melhor atriz Coadjuvante: MoNique, "Preciosa - Uma História de Esperança"

Melhor Ator: Jeff Bridges, "Coração Louco"

Melhor Ator Coadjuvante: Christoph Waltz, "Bastardos Inglórios"

Melhor Animação: "Up - Altas Aventuras" - Pete Docter

Melhor Filme Estrangeiro: "O Segredo dos Seus Olhos", de Juan José Campanella ( Argentina)

Melhor Direção de Arte: "Avatar" - Rick Carter e Robert Stromberg (Direção de Arte); Kim Sinclair (Decoração do set)

Melhor Fotografia: "Avatar" - Mauro Fiore

Melhor Figurino: "The Young Victoria" - Sandy Powell

Melhor Montagem: "Guerra ao Terror" - Bob Murawski e Chris Innis

Melhor Maquiagem: "Star Trek" - Barney Burman, Mindy Hall e Joel Harlow

Melhor Trilha Sonora: "Up - Altas Aventuras" - Michael Giacchino

Melhor Canção: "The Weary Kind", "Coração Louco" - Ryan Bingham e T Bone Burnett

Melhor Roteiro Original: "Guerra ao Terror" - Mark Boal

Melhor Roteiro Adaptado: "Preciosa - Uma História de Esperança" - Geoffrey Fletcher

Melhores Efeitos Visuais: "Avatar" - Joe Letteri, Stephen Rosenbaum, Richard Baneham e Andrew R. Jones

Melhor Edição de Som: "Guerra ao Terror" - Paul N.J. Ottosson

Melhor Mixagem de Som: "Guerra ao terror" - Paul N.J. Ottosson e Ray Beckett

Melhor Documentário: "The Cove" - Louie Psihoyos e Fisher Stevens

Melhor Documentário em Curta-metragem: "Music by Prudence" - Roger Ross Williams e Elinor Burkett

Melhor Curta-metragem: "The New Tenants" - Joachim Back e Tivi Magnusson

Melhor Curta-metragem de Animação: "Logorama" - Nicolas Schmerkin