Não raro, o cinema serve de janela para a exteriorização de sentimentos e experiências ímpares vividas pelos que se aventuram a produzi-lo. Esse é o caso da cineasta carioca Lucia Murat, que o Sesc Alagoas recebe no dia 18 de março, as 19h, na abertura da mostra “Cinco Vezes Lucia Murat”.


Ex-prisioneira política, Lucia teve o desprazer de conhecer os porões ditatoriais. Tal experiência serviu como parâmetro para desenvolver um estilo ao mesmo tempo leve e pesado – a antítese é sua matéria-prima. Ao mesmo tempo em que tratam de temas fortes, seus filmes apresentam uma leveza estética.


A linha que separa as simplórias histórias autobiográficas, carregadas do rancor de seus diretores, de obras sutis, que aliam à arte o saudável desejo de “compartilhar vivências”, é bastante tênue. Os filmes de Lucia representam o segundo tipo. Falam de política, sim, de degenerações e do lado obscuro da moral humana, também, mas apresentam ainda um lirismo único, difícil de identificar, e que faz parte das situações sociais, sejam elas cotidianas ou não.


Dona de uma maneira peculiar de pensar cinema, Lucia Murat retrata um lado social e político do Brasil que ficou bastante evidente após a volta da democracia, por intermédio de cada um dos que vivenciaram o período negro da política brasileira, iniciado com o golpe de 1964. Na abertura da mostra, será exibido o filme Quase Dois Irmãos, de 2004, seguido de debate com a diretora e um coquetel.


Além de Quase Dois Irmãos, o Sesc exibirá ainda Que Bom te Ver Viva (25/03), Doces Poderes (01/04), Brava Gente Brasileira (08/04) e Maré, Nossa História de Amor (15/04). Confira a programação.

SERVIÇO
Mostra Sesc Cinco Vezes Lucia Murat
Dias: 18 e 25 de março e 1, 8 e 15 de abril
Horário: 19h
Local: Teatro Sesc Jofre Soares/Sesc Centro (Rua Barão de Alagoas, 229, Centro)
Entrada franca
Mais informações: 0800 284 2440


PROGRAMAÇÃO
Mostra Sesc Cinco Vezes Lucia Murat


Local: Teatro Sesc Jofre Soares, Sesc Centro (Rua Barão de Alagoas, 229, Centro)
Horário: 19h
Entrada franca

Quinta-feira, 18/03

Quase dois Irmãos
(Fic, 102 min, 2004)
Sinopse: Nos anos 70, quando o país vivia sob a ditadura militar, presos políticos foram levados para a penitenciária da Ilha Grande, onde se encontravam assaltantes de bancos. Quase Dois Irmãos mostra o conflito entre eles e o nascimento do Comando Vermelho, que mais tarde passou a dominar o tráfico de drogas no Rio de Janeiro. A história é contada através de Miguel (Caco Ciocler), ex-preso político na Ilha Grande, hoje deputado federal, e Jorge (Flávio Bauraqui), filho de um sambista (Luis Melodia) que se transformou num dos líderes do Comando Vermelho. Hoje, começa um novo ciclo: a filha de Miguel (Maria Flor), fascinada pelas favelas e pela transgressão, se envolve com um jovem traficante.


Quinta-feira, 25/03

Que Bom Te Ver Viva
(Fic, 98 min, 1989)
Sinopse: o filme mistura os delírios e fantasias de uma personagem anônima (Irene Ravache) alinhavado pelos depoimentos de oito ex-presas políticas brasileiras que viveram situações de tortura. Mais do que escrever e enumerar sevícias, o filme mostra o preço que essas mulheres pagaram, e ainda pagam, por terem sobrevivido lúcidas à experiência de tortura.

Quinta-feira, 01/04

Doces Poderes
(Fic, 94 min, 1997)
Sinopse: uma jornalista (Marisa Orth) chega a Brasília para assumir, durante o período eleitoral, a chefia da sucursal da principal rede de TV do país. O antigo diretor (Sérgio Mambert) está indo chefiar a campanha de um jovem candidato a governador, apoiado por políticos conservadores. Muitos dos jornalistas se afastam para fazer campanha política, ganhando salários milionários. Na redação, o novo chefe de reportagem (Tuca Andrada) está preocupado apenas com sua carreira na televisão. A jornalista reencontra um deputado de esquerda (Antônio Fagundes), amor de adolescente, casado, formando um triângulo amoroso. Todos os personagens vão se deparar com situações ambíguas e eticamente discutíveis. A reação a essas manipulações, entremeadas por reencontros e desencontros afetivos, é a história de “Doces Poderes”.


Quinta-feira, 08/04

Brava Gente Brasileira
(Fic, 103 min, 2000)
Sinopse: Pantanal, 1778. Um grupo de soldados acompanha Diogo (Diogo Infante), cartógrafo recém-chegado, enviado pela coroa portuguesa para fazer um levantamento topográfico da região. O grupo se encaminha para o Forte Coimbra, que vive em guerra com os índios cavaleiros, com os quais os portugueses tentam selar um acordo de paz. No caminho do forte, um batedor descobre um grupo de mulheres índias tomando banho perto do rio. Elas são estupradas pelos soldados e também por Diogo, forçado por Pedro (Floriano Peixoto), chefe do grupo, a participar do ato. Chegando ao forte, Diogo é obrigado a se defrontar com esse novo mundo, a crescente ferocidade de Pedro, a fantasia de Antônia (Buza Ferraz) em encontrar minas de prata e a estranha cultura dos índios cavaleiros.


Quinta-feira, 15/04

Maré, Nossa História de Amor
(Fic, 105 min, 2007)
Sinopse: Analídia é filha de um dos chefes do tráfico, Jonathan é irmão do chefe da facção rival. Separados pelo apartheid das drogas, eles encontram um grupo de dança da comunidade, um refúgio para o sonho. O filme é um musical livremente inspirado em Romeu e Julieta.