O governador de Minas Gerais, Aécio Neves, negou ontem (16) a existência de um "racha" no PSDB em razão de eventuais divergências sobre a realização de prévias no partido para as eleições presidenciais.

 

Segundo o governador, que participou do Fórum Econômico Mundial para a América Latina, no Rio de Janeiro, não há divergências no partido sobre o assunto.

 

“Tem posições distintas, mas não divergentes. Se havia, não há mais. Todos acham que as prévias são importantes”, disse.

 

Aécio Neves afirmou que voltará a conversar com o governador paulista, José Serra (PSDB), para que os dois realizem eventos pelo país no segundo semestre do ano, para apresentar o projeto do partido aos eleitores.

 

“Hoje há uma dificuldade da população de distinguir o que diferencia um projeto do outro”, afirmou ele, referindo-se aos projetos do governo e da oposição. “Seria um reencontro com os eleitores”.

 

Segundo ele, uma agenda pode ser desenvolvida para que as viagens ocorram aos finais de semana, não comprometendo os governos dos estados.

 

Aécio procurou reduzir a importância dos atritos com relação à possível data para a realização das prévias do partido. “Acho que no final do ano é o melhor. Novembro, dezembro, seria bom, mas se decidirem por janeiro não há problema”.

 

O governador mineiro voltou a negar a possibilidade de deixar o PSDB para concorrer à Presidência por outro partido. “Não há possibilidade”, afirmou.

 

E disse acreditar que o PSDB pode atrair partidos que atualmente estão na base do governo Lula. “Se conseguirmos mostrar propostas novas, temos grande possibilidade de atrair setores que apóiam Lula. Até porque existe uma proximidade deles com os governos estaduais”, afirmou.