GERAL
Ver todas as notícias desta editoria
Retweet

tamanho da letra
enviar por e-mail
imprimir

31.12.2009 | 09h20

Filme sobre Lula \'não tem nada de político\', diz Glória Pires

\'Lula, o filho do Brasil\' chega aos cinemas nesta sexta-feira (1); em entrevista ao G1, atriz conta como foi interpretar a mãe do presidente

G1
O nome do filme é "Lula, o filho do Brasil", mas bem que poderia ser "Dona Lindu, a mãe do Brasil". Isso porque no longa-metragem de Fábio Barreto, que chega aos cinemas nesta sexta-feira (1), a história do presidente da República acaba dando destaque à figura de Dona Lindu, mãe de Lula, interpretada por Glória Pires.

"A Dona Lindu é a alma do filme", afirma Glória, que diz ter encarado o papel "com muito respeito e responsabilidade". É a relação entre o Luiz Inácio Lula da Silva e a mãe que serve de fio condutor à história, que começa com o nascimento dele, no interior de Pernambuco e a mudança da família para São Paulo.

"Eu não interpreto a mãe do presidente, eu interpreto a mãe do Luiz Inácio. O filme não tem nada de político", afirma a atriz de 46 anos em entrevista ao G1. "O trabalho não é falar do que ele é hoje, mas das origens dele, da infância, da juventude", diz Glória sobre a cinebiografia do presidente.

Críticas

Glória Pires conta que se irritou com algumas críticas que "Lula, o filho do Brasil" teria recebido nas últimas semanas em função de uma suposta conotação política da produção. "Isso é totalmente ridículo", diz Glória. "Essa especulação só serve para encher folhas de jornais, mas acaba sendo bom para o filme, porque estimula as pessoas a irem ao cinema ver com seus próprios olhos."


GERAL
Ver todas as notícias desta editoria
Retweet

tamanho da letra
enviar por e-mail
imprimir

31.12.2009 | 09h20

Filme sobre Lula \'não tem nada de político\', diz Glória Pires

\'Lula, o filho do Brasil\' chega aos cinemas nesta sexta-feira (1); em entrevista ao G1, atriz conta como foi interpretar a mãe do presidente

G1
O nome do filme é "Lula, o filho do Brasil", mas bem que poderia ser "Dona Lindu, a mãe do Brasil". Isso porque no longa-metragem de Fábio Barreto, que chega aos cinemas nesta sexta-feira (1), a história do presidente da República acaba dando destaque à figura de Dona Lindu, mãe de Lula, interpretada por Glória Pires.

"A Dona Lindu é a alma do filme", afirma Glória, que diz ter encarado o papel "com muito respeito e responsabilidade". É a relação entre o Luiz Inácio Lula da Silva e a mãe que serve de fio condutor à história, que começa com o nascimento dele, no interior de Pernambuco e a mudança da família para São Paulo.

"Eu não interpreto a mãe do presidente, eu interpreto a mãe do Luiz Inácio. O filme não tem nada de político", afirma a atriz de 46 anos em entrevista ao G1. "O trabalho não é falar do que ele é hoje, mas das origens dele, da infância, da juventude", diz Glória sobre a cinebiografia do presidente.

Críticas

Glória Pires conta que se irritou com algumas críticas que "Lula, o filho do Brasil" teria recebido nas últimas semanas em função de uma suposta conotação política da produção. "Isso é totalmente ridículo", diz Glória. "Essa especulação só serve para encher folhas de jornais, mas acaba sendo bom para o filme, porque estimula as pessoas a irem ao cinema ver com seus próprios olhos."

 

Para a atriz, que atualmente mora na França com sua família, o longa-metragem é "uma injeção de auto-estima para o brasileiro". "O público vai ver uma heroína firme, obstinada, batalhadora, que mantém o bom humor mesmo nas adversidades", diz.

Mas Glória acrescenta que o sucesso do filme também é mérito do protagonista Rui Ricardo Diaz, que interpreta Lula adulto. Ela não economiza elogios ao ator: "Ele é um querido, um profissional totalmente dedicado e sério. Acho que ele faz o que tem de mais difícil, porque imitar o Lula é fácil, difícil é ser o Lula na tela."