O delegado da Polícia Federal Protógenes Queiroz afirmou em depoimento na CPI dos Grampos nesta quarta-feira (8) que não investigou o filho do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Fábio Luis Lula da Silva, mas se calou se teria feito alguma investigação na Operação Satiagraha a ministra Dilma Rousseff (Casa Civil).

Protógenes depõe na CPI protegido por um hábeas corpus do Supremo Tribunal Federal (STF) que lhe dá o direito de ficar calado e o protege de ser preso. Ele se recusou a responder a maioria das perguntas feitas até este momento. Respondeu apenas que o banqueiro Daniel Dantas, preso por ele na Operação Satiagraha, é investigado por interceptação telefônica clandestina, além da questão sobre o filho de Lula.

Questionado pelo presidente da CPI, Marcelo Itagiba (PMDB-RJ), se teria investigado o filho do presidente, Protógenes disse que não. A pergunta feita na sequência se referia a uma possível investigação da ministra Dilma, para qual Protógenes deu sua resposta habitual na comissão.

“Excelentíssimo senhor deputado federal Marcelo Itagiba, presidente da comissão parlamentar de inquérito cujo objeto jurídico é a interceptação telefônica clandestina, me abstenho de responder a esta pergunta”, disse o delegado.

A resposta “padrão” foi usada para outros temas, como a informação de que tinha informações da Satiagraha em sua residência ou sobre a participação da Abin na operação.