As mensagens foram enviadas para o e-mail geral do Senado e encaminhadas aos 81 senadores. Trouxeram muitas críticas duras, como a que veio de Londrina. O eleitor disse que é uma vergonha pagar elevados impostos para que os senadores tenham muitos funcionários, andem de jatinhos fretados e paguem horas extras em mês de recesso parlamentar.

 

O número de reclamações condenando a administração do Senado deu um salto no mês passado. Em janeiro e fevereiro foram seis críticas. No mês passado, 181.

 

Normalmente, os e-mails que chegam ao Senado são enviados para reclamar de uma votação, pedir prioridade para um projeto ou criticar o comportamento individual de um senador. Tantos e-mails para condenar atos administrativos são uma grande novidade.

 

"Quando você vê que a sociedade está acompanhando a instituição, a gente ainda pode avaliar que a instituição tem jeito, que ela pode de fato representar os interesses dos brasileiros", afirma o Senador Renato Casagrande (PSB-ES).

 

A médica Isabel Pavie está entre os brasileiros que vão além de discutir os problemas com os amigos no trabalho ou na hora de folga. Se vê o que não gosta, vai para o computador e se manifesta. "Ficar prestando atenção, mas indignada apenas, não adianta nada. Eu tenho que me posicionar também, porque o país é da gente", explica.

 

Como ela faz questão de dizer, são apenas seis cliques para abrir uma janela que cai diretamente no gabinete do senador. "Eu cumpro minha agenda. Todos nós cumprimos a nossa agenda. Porque a gente tem cobrança. Se eles não tiverem, quem é que vai cumprir?", afirma a médica.