A Oi informou ontem, terça-feira (7) que irá demitir aproximadamente 500 funcionários devido à existência de sobreposições, principalmente nas áreas de mercado e vendas, e à indisponibilidade de mudança de cidade de uma parcela de empregados. A operadora comprou a Brasil Telecom no fim do ano passado.

 

Segundo a Oi, cerca de 20% dos demitidos serão inseridos no plano de aposentadoria incentivada, criado em fevereiro. Cerca de 200 vagas permanecerão abertas e serão preenchidas por meio de recrutamento no mercado.

 

Em fevereiro, após concluir a compra da BrT, a Oi anunciou a redução de 400 posições gerenciais para reorganizar sua estrutura.

 

Como um dos compromissos da companhia com o governo federal por conta da fusão é a manutenção do número de vagas, a Oi afirmou à época que novas contratações garantirão que a empresa se mantenha "geradora líquida de empregos".

 

A empresa, que firmou compromisso de manter os postos de trabalho por três anos, disse em nota divulgada nesta terça que "os ajustes não afetam este compromisso, que está sendo devidamente honrado".

 

A Oi informou ainda que o trabalhador demitido receberá 0,3 salário para cada ano de trabalho na empresa, com piso de um salário e meio e teto de seis salários. Os funcionários inseridos no plano de aposentadoria incentivada terão indenização de 0,4 salário para cada ano, com limite de doze salários. O plano de aposentadoria incentivada poderá receber adesões até julho.

 

Os seguros de vida e planos de saúde serão mantidos até 31 de dezembro de 2009, segundo a empresa. Também será disponibilizado, pelo período de um ano, suporte especializado de consultoria para recolocação no mercado de trabalho, redirecionamento de carreira ou aconselhamento de empreendedorismo. Em nota, a empresa destacou ainda que dará apoio à formação acadêmica, com conclusão de pós-graduação e outros cursos.