Diretores e técnicos do Instituto de Desenvolvimento Rural e Abastecimento de Alagoas (Ideral) estarão reunidos, nesta quinta-feira (10), às 9 horas da manhã, com representantes da SMTT, SMCCU, Vigilância Sanitária, Secretaria da Fazenda, Adeal e BPtran. O objetivo do encontro será dar início a um amplo e longo processo de discussão em torno da coibição do mercado atacadista de hortifruti granjeiros fora da nova Central de Abastecimento (Ceasa), que funciona no bairro Forene, em Maceió.

Um dos pontos discutidos durante a reunião será o combate ao comércio paralelo de hortifrutis que ainda ocorre, de forma clandestina, nas dependências da antiga Ceasa que, durante muitos anos, funcionou no bairro da Levada, região central da cidade.

Segundo os técnicos do Ideral, a Prefeitura de Maceió, juntamente com o governo do Estado, terão que unir forças e criar estratégias para combater essa forma de comércio que, além de não oferecer qualquer tipo de garantias sanitárias aos consumidores, ainda deixa de contribuir com o setor tributário, o que compromete, significativamente, novos investimentos no setor.

O diretor-presidente do Ideral, Cyro da Vera Cruz sugeriu que as discussões em torno do tema contem com a participação de representantes de outros órgãos, que poderão atuar em parceria no combate a esse mercado atacadista clandestino. “Precisamos criar mecanismos para coibir o comércio atacadista naquele local”.

Já o subsecretário Chico Lopes frisou que a Prefeitura de Maceió irá contribuir no que for necessário para combater o comércio atacadista da antiga Ceasa e que irá unir esforços para criar mecanismos que ajudem a fortalecer ainda mais o comércio na nova Ceasa, citando como exemplo a implantação de novas linhas de ônibus interligando a periferia até o local, o que facilitaria o deslocamento dos consumidores.