Venho através desta nota, explicar o acontecimento do ultimo dia 06, envolvendo minha pessoa. Ás 07:00hs recebi o plantão na Base do GOE da Guarda Municipal, por volta das 07:35hs fomos acionados para prestar o socorro de uma criança, com alto grau de febre e com convulsão constante.

Então deslocamos para a residência da criança e constatamos a fato. Em seguida dirigimos com precisão em sentido ao Hospital da Santa Casa, infelizmente ao descer pela ladeira da Rua da Bica, chegando à segunda curva fomos surpreendido por um motoqueiro em alta velocidade, pela contra-mão, fazendo com que o motorista da minha guarnição desviasse do mesmo, para não ceifa-lhe a vida, desta forma perdendo o controle da direção da viatura 01, ocasionando o acidente, tendo felizmente como prejuízo de um pneu estourado.

Logo depois formou um aglomerado de pessoas para saber o que tinha ocorrido, naquele local, alguns começaram a tirar fotos, entre eles um cidadão não identificado como repórter, si aproximou do motorista da viatura fazendo perguntas sobre o ocorrido e o motorista explicou o acontecido, em seguida o cidadão após ter colhido informações pediu o nome do motorista, alegando que era repórter mas o motorista si negou a fornecer o nome e solicitou a identificação do repórter, para poder fornecer o nome, mas o repórter respondeu que a identificação estava no carro, mas uma vez o motorista negou a fornecer o nome pedindo primeiramente que o repórter identificasse, gerando assim aborrecimento ao repórter, que exigiu o nome do motorista com tom de voz alterado.

 Visualizado o que estava acontecendo, na função de comandante, tive que toma uma iniciativa pedir para o cidadão si acalmar e perguntei quem ele era e ele me respondeu –Sou repórter tanto que faço por vocês e um nome vocês não querem fornecer, então respondi para o mesmo, me mostre sua identificação de repórter e eu lhe forneço o meu nome e do motorista, e o mesmo respondeu da seguinte forma –Mas é cada uma que a gente ver, para me dar um nome vocês querem saber se sou repórter ou não, e respondi para o mesmo, - eu trabalho certo e não errado e pelo fato de você dizer que é repórter, preciso que você se identifique para lhe fornecer os nomes e toda a informação necessária, e o repórter respondeu mais uma vez que a identificação estava no carro e para cessar o assunto respondi que não podia ficar nesse vai e vem e se ele realmente queria ajudar, tomasse a mesma iniciativa que eu, a guarnição e populares estávamos empenhado que era tirar a viatura do barraco mas ele respondeu novamente: - é cada uma, então eu dize ao mesmo, - Amigo, já que você não que mostrar sua identificação de repórter, e nem dizer o seu nome, então nos deixe trabalhar e vá tomar um banho de praia, já que hoje é domingo, ou procurar outra coisa para fazer.

Estes foram os fatos que realmente ocorreram na manha do dia 06 de dezembro de 09.

Quero deixar bem claro que não estou envolvido no acontecido do sobrinho da vereadora Djante, conforme foi relatado em um comentário, nesse dia estava de folga.

Em relação a uma escola que trabalho, foi relatado em um comentário que eu tinha tratado mal um grupo de alunos que ia ensaiar para um projeto, mas isso não foi desse jeito, era um sábado e eu estava de serviço nessa escola e um grupo de aluno, chegou lá por volta de 16:00 hs dizendo que estavam autorizados para ensaiar na escola naquele dia e horário, e eu lhe respondi para o mesmo que não estava informado de nenhuma informações sobre o assunto, e que iria ligar para o diretor da escola para saber se realmente estavam autorizados e desta forma fiz e o diretor respondeu que não tinha conhecimento do fato mas se eu quisesse liberar que liberasse, ficando assim com a responsabilidade, então deixei os alunos ensaiar cedendo a sala de vídeo e os advertindo que eles só poderiam permanecer até as 17:00hs, o horário que iria largar, um pouco mais tarde fui verificar se estava tudo ok com eles na sala de vídeo, onde ao chegar sentir cheiro de cachaça e então perguntei para eles, vocês estão bebendo se tiverem não pode e eles responderam que não mas como eles estavam tão eufóricos eu decidi olhar atrás da porta e encontrei um litro de cachaça pela metade, então pedi para os mesmo encerrar o que estavam fazendo e si retirasse da escola porque isto não poderia acontecer, mas eles ficaram brabos, dizendo que iriam permanecer no local e que a escola eram deles e mais uma vez pedir que eles fosse embora porque já iria fechar a escola e que continuasse a beber em outro local.

Obrigado

Leia abaixo a matéria  que ensejou a nota do Guarda Municipal

O repórter Josué Carvalho, do site São Miguel Web, que funciona na cidade de São Miguel dos Campos, se sentiu prejudicado ao desempenhar os trabalhos durante uma apuração jornalística que envolvia uma viatura da guarda municipal, neste domingo (06).
Segundo Josué, o chefe da guarnição o atendeu mal e disse que a imprensa não valia nada. “Estava fazendo meu trabalho apurando o acidente. O motorista falou tudo que ocorreu, na hora que perguntei o nome dele, o guarda municipal foi pedir autorização ao chefe da guarnição Heitony que chegou fazendo ironia e falando que a imprensa não valia nada”, disse o repórter.
Ainda de acordo com Josué, o chefe da guarnição Heitony mandou procurar o que fazer. “Hoje é domingo, porque você não vai pegar uma praia e deixa a gente trabalhar? Aqui não tem ninguém brincando não, vai procurar o que fazer!”, falou.
A reportagem do Cadaminuto conversou com o chefe da guarnição Heitony, acusado de dificultar o trabalho do repórter, o qual admitiu que mandou o repórter procurar o que fazer. “Realmente o mandei procurar o que fazer, ou ajudasse atirar a viatura do local. Primeiro ele não estava com nenhuma identificação que era repórter, além de está de sandália e bermuda e queria a todo custo o nome do motorista e nunca dificultei o trabalho da imprensa como afirmou. Quase morri para salvar uma vida”, disse o guarda municipal.

Nota da Redação

Gostaríamos da compreensão dos internautas por não estarmos liberando os comentários nesta matéria por se tratar de legítimo exercício de defesa por parte do guarda municipal, sendo inclusive publicado no mesmo local e no mesmo horário em que a matéria anterior foi posta.

Obrigado.