O presidente da Eletrobrás José Antônio Muniz assinou hoje, em Maceió um protocolo de intenções com o governo do Estado de Alagoas para a implementação de ações de eficiência energética. Pelo acordo, a Eletrobrás irá investir mais de R$ 30 milhões em ações específicas para o uso consciente de energia elétrica.

Segundo o presidente da Eletrobrás, os projetos serão desenvolvidos em municípios alagoanos, indústrias, escolas e na Companhia de Saneamento de Alagoas (Casal). As ações serão aplicadas durante três anos, em parceria com a Companhia Energética de Alagoas (Ceal) e a Secretaria do Estado de Desenvolvimento Econômico Energia e Logística.

Como exemplo dessas ações, o presidente informou que irá fazer gestão energética junto aos municípios, além de implantar o Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica (Procel), em escolas municipais e ações para reduzir o consumo de iluminação pública.

As informações foram divulgadas durante o 2º Workshop de Energia Nuclear no Nordeste, realizado nesta segunda-feira (07), em Maceió. No evento, estiveram presentes diversos especialistas da área, entre eles o presidente da Eletronuclear, empresa do grupo Eletrobrás, Othon Luiz Pinheiro da Silva, o secretário de desenvolvimento econômico, Luiz Otavio Gomes e o governador de Alagoas Teotônio Vilela Filho.

Mais de cem pessoas participaram das discussões sobre as vantagens e desvantagens para a construção de duas usinas nucleares em Alagoas, que disputa a instalação do empreendimento, com os Estados da Bahia, Pernambuco e Sergipe. Em cada usina, o governo pretende investir R$ 7 bilhões, além de gerar emprego e renda.

O workshop foi organizado pelo Governo de Alagoas, em parceria com a Eletronuclear e a Associação Brasileira de Desenvolvimento de Atividades Técnicas Industriais Nucleares (Abdan). A escolha do Estado onde será instalada a usina será feita pelo Congresso Nacional, após o estudos técnicos produzidos por especialistas da Eletrobrás.

De acordo com o presidente Antônio Muniz, até o final do primeiro semestre de 2010 as avaliações serão concluídas. “Não vemos limitações para Alagoas instalar uma usina nuclear, porém isso dependerá do congresso. Nosso papel é apresentar os estudos técnicos. Alagoas tem muita chance”. A meta do governo brasileiro é que até 2019 a nova usina nuclear já esteja em funcionamento.