A Universidade Estadual de Alagoas (Uneal) deu início, no último sábado (5), em três bairros de Maceió, ao curso de capacitação de 300 mulheres da paz, como parte das ações do Programa Nacional de Segurança Pública com Cidadania (Pronasci) em parceria com a Secretaria de Estado da Mulher, da Cidadania e dos Direitos Humanos.

A capacitação terá duração de três meses, com abordagem a assuntos relacionados a direitos humanos, como acesso à justiça, violência, entre outros temas. As 300 mulheres estão sendo preparadas para aprender a mediar conflitos e atividades de integração junto aos jovens, às escolas e às comunidades em que vivem.

No bairro do Benedito Bentes, as aulas estão sendo realizadas no Caic, enquanto no Vergel do Lago as atividades ocorrem na Escola Municipal Senador Rui Palmeira. No bairro Jacintinho, as mulheres assistem às aulas na Escola Eulina Alencar.

Determinação - A dona de casa Maria Auxiliadora da Silva, 48, chegou à Escola Eulina Alencar, no Vergel do Lago, às três horas da manhã do sábado. Ela não escondia a ansiedade em assistir à primeira aula do curso de capacitação. “Estou muito contente em ter sido selecionada para participar de uma iniciativa tão importante para mim e, também, para a minha comunidade”, destacou a dona de casa.

Como estímulo, ela, juntamente com as outras 299 mulheres da paz irão receber um auxílio financeiro de R$ 190 por mês.

A fase inicial do projeto registrou um total de 2.636 mulheres inscritas nos três bairros de Maceió. As candidatas participaram de um processo seletivo, coordenado pela Pró-Reitoria de Extensão da Uneal.

Os professores escolheram, por meio de processo seletivo com entrevistas, as 300 candidatas aptas para atuarem no programa.

A capacitação terá duração de três meses e, durante o treinamento, serão tratados assuntos relacionados a direitos humanos, como acesso à justiça, violência, entre outros e, depois, serão desenvolvidas atividades de integração junto aos jovens, às escolas e à comunidade em geral, que irão conhecer a Lei Maria da Penha, os estatutos da Criança e do Adolescente e do Idoso, entre outros temas sociais.

As 300 mulheres selecionadas foram separadas em seis turmas, sendo duas em cada bairro. Durante o treinamento, a Uneal vai oferecer almoço para as alunas.

A perspectiva é que, após a capacitação, as mulheres atuem como educadoras sociais contribuindo para a construção de diagnósticos e estratégias de enfrentamento à violência e planos de facilitação do acesso da comunidade às políticas públicas.