Especialistas, políticos, estudantes e gestores públicos iniciaram o dia de debate sobre o funcionamento e a possibilidade de Alagoas vir a sediar duas centrais nucleares. Os debates sobre o tema ocorrem durante todo o dia desta segunda-feira (7), com a realização do 2º Workshop Energia Nuclear Nordeste.

Numa realização do Governo de Alagoas, em parceria com a Eletronuclear e a Associação Brasileira de Desenvolvimento de Atividades Técnicas Industriais Nucleares (Abdan), realiza mais um evento para tratar da política energética do Estado, especificamente sobre os benefícios da instalação desse empreendimento.

Na abertura do evento, o governador Teotonio Vilela Filho disse que está convencido da importância da vinda das duas centrais para o Estado de Alagoas. Porém, deixou claro que a população será esclarecida sobre o assunto e terá papel determinante na escolha, caso o empreendimento venha para o Estado. “Todos os estados do Nordeste brigam [pelas usinas], pois querem muito. E um estado como Alagoas não pode deixar de trazer, pois o maior impacto negativo são os índices de morte de crianças, de desemprego, de miséria”, enfatizou o governador.

“A escolha da energia nuclear para a geração energética é uma opção de luta contra o preconceito”, disse o secretário do Desenvolvimento Econômico, Energia e Logística, Luiz Otavio Gomes. Ele também defende que há necessidade de esclarecimento, pois muitos ainda remetem o empreendimento nuclear aos acidentes do passado.

Para o secretário, este é o projeto de maior alcance econômico, social e ambiental de Alagoas, pois baseia-se na segurança garantida pela tecnologia e ciência do empreendimento, já que a França possui 70% da sua matriz energética de geração nuclear.

O presidente da Eletrobras, José Antonio Muniz Lopes, parabenizou Alagoas pela iniciativa e disse o Estado é pioneiro na discussão sobre a matriz energética nacional e na década de 70 já discutia sobre a biomassa. O presidente citou as peculiaridades que predispõem o Estado de Alagoas para ser escolhido como sede do empreendimento, como a proximidade da hidrelétrica de Xingó e seu centro de distribuição e água em abundância (rio e mar), entre outros aspectos. “Alagoas tem muita chance”, afirmou o presidente.

Também presente à abertura, o presidente da Assembleia Legislativa de Alagoas, Fernando Toledo, afirmou ter ficado tranquilo com a visita às usinas de Angra dos Reis, pois a opinião da classe política local é favorável, juntamente com a da população. Fernando Toledo disse que se a energia nuclear, após os debates, for considerada o instrumento para tornar Alagoas forte e beneficiar sua população, a ALE estará apoiando.

Também participam do 2º Workshop Energia Nuclear Nordeste o presidente da Eleletronuclear, Othon Luiz Pinheiro das Silva; o presidente da Abdan, Antonio Ernesto Ferreira Muller, os deputados estaduais Judson Cabral e Rui Palmeira, e os secretários de Estado Alex Gama (Meio Ambiente) e Regis Cavalcante (Trabalho).