Divulgação Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true

Uma intensa aventura pelo sertão alagoano. Assim pode ser descrita a extraordinária história desse clássico do cinema brasileiro, rodado em Viçosa, em 1972. Trata-se de um caso raro na história das adaptações para o cinema. Para atingir o máximo de fidelidade à obra de Graciliano Romas, o diretor Leon Hirszman rodou o longa sem roteiro, tomando como base apenas as páginas do livro. O resultado é impressionante. Talvez S. Bernardo seja o filme que mais se aproximou do universo retrato pelo escritor alagoano.


No enredo, Paulo Honório, sertanejo de origem humilde, determinado a ascender socialmente, faz fortuna como caixeiro-viajante e agiota. Numa manobra financeira, assume a decadente propriedade São Bernardo, fazenda tradicional do município de Viçosa, Alagoas. Recupera a fazenda, expande a sua cultura, introduz máquinas para tratamento do algodão, entra na sociedade local. Desejando um herdeiro para um dia assumir o fruto da acumulação do capital, estabelece um contrato de casamento com a professora da cidade, Madalena. O casamento se consuma, mas gradativamente as diferenças entre eles se acentuam. Paulo Honório é brutal no trato com os empregados, cujo trabalho explora impiedosamente; Madalena tem consciência social e se solidariza com os oprimidos. O fazendeiro torna-se paranóico e passa a imaginar que a mulher o trai. Persegue-a em busca de provas da traição. Madalena não suporta a pressão e se suicida. Paulo Honório penosamente tenta assumir a consciência de seus atos.


Censurado pela ditadura militar em 1973, o filme não teve um lançamento à altura de sua importância. Apenas no ano passado, quando parte da obra de Hirszman passou por uma meticulosa restauração, a produção pôde ser vista por um público mais abrangente. A versão restaurada digitalmente abriu o 41º Festival de Brasília de Cinema Brasileiro, e na próxima sexta-feira (04), vai encerrar a programação da Sesi Brasil – III Mostra de Cinema Brasileiro, no Centro Cultural Sesi. Em seguida, a banda Xique Baratinho apresenta parte do repertório de seu novo disco.

S. Bernardo
Direção: Leon Hirszman
Ficção, cor, 35mm, 114min, 1972
Data de lançamento: outubro de 1973

Serviço
O quê: Exibição do filme S. Bernardo, no encerramento da Sesi Brasil – III Mostra de Cinema Brasileiro.
Onde e quando: No Centro Cultural Sesi, sexta-feira (04), às 20h
Ingresso: R$ 8 (inteira) e R$ 4 (meia-entrada)
Informações: 3235 51 91 ou www.centroculturalsesi.com.br