Na manhã desta quarta-feira (02), servidores do Ministério do Trabalho realizam uma manifestação contra o recurso “Interdito Proibitório” que impedem os servidores de uma greve definitiva.

O ato acontece no calçadão do comercio, próximo à igreja do Livramento. O recurso foi criado na ditadura militar. Um caixão com o nome Interdito Proibitório será enterrado por servidores que estarão com camisas pretas e velas na mão, em forma de protesto.

Segundo o diretor do Sindicato dos Trabalhadores Federais em Saúde, Trabalho e Previdência Social em Alagoas (Sindprev) Célio dos Santos, a manifestação acontece durante todo o dia. “Isso é uma vergonha, o único superintendente do Brasil que colocou Interdito Proibitório em funcionamento. Esse recurso é um lixo”, disse Célio.

O diretor do Sindprev ainda denunciou que o superintendente Regional do Trabalho de Alagoas, Heth César, fechou o órgão impedido os 30% dos servidores trabalharem. “Quero denunciar que o superintendente Heth César fechou o órgão impedido que o restante dos 30% trabalhe de acordo do à lei”, finalizou.