Encerrada com a apresentação do coco de roda da ONG Mulungu, a consulta preparatória ao Plano Integrado de Promoção ao Direito Humano à Segurança (Maceió Mais Segura), realizada no último sábado, no Bom Parto, apontou a necessidade da atuação de um Conselho Comunitário de Segurança no bairro e mais investimentos em ações ligadas à educação e cultura.

“É impressionante como as crianças e adolescentes relatam com tanta naturalidade cenas de violência”, relatou a professora Emília Maria, da Escola Municipal Brandão Lima. Já o morador Zenus Nascimento lembrou que o bairro sofreu um processo de decadência social. “Ao longo dos anos, o bairro ficou esquecido pelo poder público”. Para Alan Alves, integrante da ONG Mulungu, existe também a necessidade de que se criem mais centros de tratamento de dependentes químicos.

“Tivemos uma participação bastante expressiva dos moradores do Bom Parto e todas as contribuições vão ser incluídas no rol de sugestões para elaboração final do plano Maceió Mais Segura”, enfatizou o secretário municipal de Direitos Humanos, Segurança Comunitária, Pedro Montenegro.

Nesta terça-feira (1º), às 9 horas, os problemas relacionados à violência nas escolas do Bom Parto e de outros bairros da capital vão ser discutidos em detalhes, já que, segundo o secretário, numa parceria com a Secretaria Municipal de Educação (Semed), foram convocados diretores das 128 escolas públicas municipais para uma consulta pública específica.