TJ Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true

O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil seccional Alagoas (OAB-AL), Omar Coelho denunciou à Polícia Federal, na tarde de hoje, que estão usando o seu nome para enviar e-mails. Coelho disse que os e-mails contem agradecimentos pelo apoio na campanha para eleição da Ordem, que acontece amanhã, e informam que ele sairia candidato a deputado estadual nas eleições do ano que vem.

"Isso é falsidade ideológica e queremos que a Polícia Federal investigue isso", disse Omar à reportagem do CadaMinuto.

O presidente entregou a denúncia ao delegado Felipe Vasconcelos.

Leia abaixo o requerimento entregue a PF

Segue abaixo a íntegra do requerimento da OAB/AL encaminhado à PF:

 

 

ILUSTRÍSSIMO SENHOR DELEGADO SUPERINTENDENTE DA POLÍCIA FEDERAL EM ALAGOAS

 

 

A ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL SECCIONAL ALAGOAS, autarquia federal, ora representada por seu PRESIDENTE, vem através da presente expor e requerer o que doravante segue:

 

Fora encaminhada na data de hoje, 26 de novembro de 2009, véspera das eleições da OAB/AL para todos os e-mails dos advogados e advogadas de ALAGOAS um e-mail de conteúdo e forma FALSAS, passando-se pelo presidente da OAB e utilizando-se da marca da OAB, consoante se demonstram nos documentos em anexo.

 

2. Referidos e-mails continham substância político-eleitoreira pedindo votos para uma suposta candidatura do atual Presidente à uma cadeira da ALE/AL

 

3. De se ressaltar que a lista de e-mails, ou seja, o banco de dados, é privada da OAB e foi entregue aos dois candidatos à eleição da referida entidade, podendo-se daqui partir a investigação acerca da suposta autoria criminosa.

 

4. Ainda, fora também encaminhado aos advogados de Alagoas um envelope lacrado, ANÔNIMO, com a etiqueta fornecida pela OAB/AL com conteúdo já sabidamente difamatório ao PRESIDENTE da OAB, consoante também se anexa o referido documento.

 

5. Desta forma, de se requerer possam ser quebrados os IPs das máquinas que originaram os e-mails, apurando, assim, o crime de falsidade ideológica, instaurando-se o devido procedimento policial para todos os efeitos penais.

 

Nestes termos

Pede deferimento.

Maceió em 26 e novembro de 2009.

 

OMAR COÊLHO DE MELLO

 

PRESIDENTE DA OAB/AL