A analista judiciária Patrícia Maciel Félix da Silva, chefe de cartório da 23ª Vara Cível da Capital – Família, atuou, nos últimos dois meses, com os técnicos do Programa Integrar para implementar melhorias em seu local de trabalho.

“Trabalhamos muito e o serviço chegou a ser exaustivo. Mas tudo foi muito gratificante pois percebemos que a melhoria no nosso local de trabalho tem reflexos concretos na vida de centenas de famílias alagoanas”, destacou Patrícia. “A maioria dos processos na 23ª Vara é de pessoas muito pobres. O mínimo de atenção que se dá é recebido por eles como se estivéssemos fazendo muito, e estamos apenas fazendo o nosso trabalho”, concluiu.

Segundo a servidora, antes da chegada do Programa Integrar, os servidores da Vara atuavam com sistema de dígitos para a identificação dos processos. Em dois meses, a rotina de trabalho foi completamente alterada, principalmente com o estabelecimento de metas diárias. “O método novo é muito sólido e as metas são muito boas, porém ainda estamos em processo de adaptação. Para cumprir as metas estabelecidas pelo CNJ, precisaríamos de mais servidores e maior estrutura”, explicou Patrícia.

A integração dos técnicos do Programa Integrar e os servidores da Justiça estadual foi um dos pontos destacados pela servidora, que foi aprovada no último concurso para servidores do Judiciário realizado em 2003 e nomeada para o cargo em 2005.

“Depois da presença do Projeto Integrar, o trabalho se tornou mais inteligente e ágil. Os processos não ficam emperrados. Ganha o Judiciário, ganha os servidores e principalmente a população alagoana, que terá seus processos julgados mais rapidamente”, destacou.