A Polícia Civil de Alagoas ampliará seu Serviço de Inteligência, a partir de janeiro, com o funcionamento do sistema Guardião, a ser implantado por meio de um contrato com a empresa Digitrus – especializada nesse tipo de serviço. O anúncio foi feito nesta terça-feira (24), pelo delegado-geral Marcílio Barenco, que destacou o empenho do governo estadual no sentido de dotar a instituição dessa nova ferramenta de combate à criminalidade. Segundo ele, 100% dos recursos utilizados na contratação desse serviço são do próprio Estado e resultaram de um esforço de economia realizado durante todo ano de 2009.

“Foi fundamental o incentivo do governador Teotonio Vilela Filho para essa nossa nova conquista”, salientou. Barenco disse que “com o novo sistema, vamos poder aumentar em cerca de 300% o trabalho de inteligência que já realizamos para investigar as atividades dos grupos criminosos em Alagoas”. Isto significa que o setor de inteligência da PC triplicará a sua eficácia de enfrentamento ao crime. O sistema Guardião é utilizado, atualmente, pelas superintendências estaduais da Polícia Federal e algumas polícias civis estaduais, servindo como instrumento imprescindível ao esclarecimento de crimes e descoberta de atividades de grupos criminosos.

O sistema serve como ferramenta de combate a diversas modalidades de crimes, entre eles o tráfico de drogas, homicídios e crimes contra o patrimônio. Em Alagoas, deverá também ser uma arma contra as atividades criminosas que se originam de dentro dos presídios. “O Guardião vai servir para o embasamento das investigações mais complexas e dependiam de investimento específico para que déssemos condições de trabalho condizentes ao setor de inteligência de nossa instituição, o que acabou se concretizando”, salientou Barenco.