“A mão da Justiça está aqui. Estamos fazendo um verdadeiro trabalho de detetive, tentando localizar as partes e intimá-las, evitando que os processos parem ou sejam julgados à revelia”, destaca o oficial de Justiça Orris Brasileiro, responsável pela Central de Mandados que atua especificamente nos processos relativos à Meta 2 do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), que funciona no prédio-sede do Tribunal de Justiça de Alagoas (TJ/AL).

Desde o início de outubro, vinte e um oficiais de Justiça atuam diariamente na busca de cumprir os mandados expedidos pelas Varas Criminais e Cíveis da Capital. Até novembro, cerca de 4000 mandados foram expedidos e 3300 foram cumpridos. Estima-se que até o final de dezembro a Central cumpra mais 5000 mandados no total..

Dificuldade para encontrar as partes envolvidas nos processos, o medo da população em dar informações sobre os réus citados em processos criminais e a falta de cautela na elaboração dos inquéritos policiais (que omitem informações importantes para caracterizar o endereço dos acusados) são os principais obstáculos para que os oficiais de Justiça cumpram suas determinações com maior efetividade.

“Informações como número da residência, ponto de referência e apelido das partes são muito importantes para que possamos cumprir os mandados. Como os processos são referentes à Meta 2, que deram entrada na Justiça até dezembro de 2005, as dificuldades são maiores, mas temos conseguido expressivos 65% de mandados positivos”, explicou Orris Brasileiro, responsável pela Central no TJ/AL.

A novidade para o mês de dezembro é a realização de mutirões específicos da Meta 2 nos municípios próximos a Maceió. A cidade de Pilar será a primeira a receber o projeto, já no próximo dia 05 (sábado).