Na próxima sexta-feira, Dia Nacional de Prevenção e Combate à Surdez, o Centro de Referência Estadual em Saúde do Trabalhador (Cerest), da secretaria de Estado da Saúde realiza, o Seminário “O Surdo e o Mercado de Trabalho”. O evento deverá contar com cerca de 200 participantes entre portadores de surdez e ouvintes, que estarão reunidos no auditório do Sesc Poço, a partir das 13h30.

Segundo a gerente de Núcleo do Cerest, Conceição Pessoa, o seminário tem como finalidade discutir a inserção do surdo no mercado de trabalho. As discussões sobre o tema ainda é mínima conforme destacou Conceição. Por isso, o encontro visa ampliar as discussões principalmente sobre os direitos dos portadores de surdez.

No seminário, a gerente destacou que será uma oportunidade para aprender mais sobre os direitos dos surdos no mercado de trabalho, com o Procurador Regional do Trabalho, Rodrigo Rafael, da 19ª Região. Na pauta do encontro, ainda, discussão sobre “Surdez: Considerações Importantes”, com Lidiane Ferraz, da Associação dos Deficientes Físicos de Alagoas. E, às 16 horas a palestra terá como tema “A Realidade do Surdo no Mercado de Trabalho”, com a participação de um portador da deficiência que está atuando no mercado.

A surdez é considerada um problema importante de saúde pública, dentro das deficiências congênitas ou adquiridas e traz graves conseqüências, para o desenvolvimento da criança e da sociedade. Dados da Organização Mundial de Saúde mostram que 10% da população mundial apresentam algum tipo de problema auditivo devendo, portanto, existir cerca de 15 milhões de deficientes auditivos no Brasil sendo 350 mil indivíduos portadores de surdez profunda.

O último censo realizado em 2000, aponta 104.177 surdos em Alagoas e em Maceió 32.407. Em 2006, segundo os dados do serviço de saúde auditiva da Associação dos Deficientes Físicos de Alagoas (Adefal), 12% dos atendimentos são por Perda Auditiva Induzida por Ruído (PAIR) e 47% por causas não identificadas.