O Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) julga nesta quarta-feira, dia 25 de novembro, a partir das 18h, mais um caso de doping no futebol brasileiro. Flagrado no exame antidoping numa partida da Série D do Campeonato Brasileiro, o atacante Abimael pode ser suspenso por até dois anos pela Terceira Comissão Disciplinar que julgará o caso baseado no Código Mundial Antidopagem.

O exame foi realizado no dia 20 de setembro, quando o jogador foi submetido à coleta de urina após a partida entre Araguaia/MT, então clube que defendia, e Chapecoense. O resultado mostrou que Abimael usava algum medicamento que contém Isomepteno, substância não permitida pela WADA e pela CBF.

Denunciado no artigo 2º, item 2.1, e art. 10 do Código Mundial Antidopagem, Abimael pode ser suspenso por até dois anos.

A defesa do atleta alega que o remédio usado em questão foi a Neosaldina, indicado para dor de cabeça, pois estava gripado e não sabia que o remédio poderia ter a tal substância proibida. O clube já se manifestou a favor de Abimael, dizendo que ele é muito dedicado e ingeriu o medicamento por engano, a Procuradoria do STJD denunciou o jogador.

Segundo o procurador do caso, a norma antidopagem é clara ao responsabilizar o atleta por seu atos, mesmo que este alegue negligência ou uso involuntário do medicamento que contém a substância. Já o clube, ainda no entendimento da Procuradoria, não foi denunciado por não haver provas suficientes de que participou diretamente do processo.

Doping por Neosoldina no futebol brasileiro em 2009 não é nenhuma novidade. O zagueiro Cláudio Luiz, hoje no Náutico, foi suspenso por 30 dias quando testou positivo para a substância numa partida do Brasiliense, clube que defendeu no início da Série B do Campeonato Brasileiro.