Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true

O atual secretário de Saúde e vice-prefeito do município de Craíbas o médico Denis Moura, relatou o caos em que a saúde de Craíbas enfrentava antes dele assumir a nova gestão a quatro meses.
 

As três ambulâncias que o município possui se encontravam quebradas e sem condições de uso chegando a encontrar uma parte de uma viatura em uma oficina e outra parte em outra. A ambulância entregue recentemente pelo governo estadual a todos os municípios Alagoanos, também estava parada por problemas de freios e suspensão, segundo o secretário Denis Moura nenhuma viatura funcionava no município.

Outro agravante encontrado pela atual administração foi a falta de médicos plantonistas no hospital local da cidade, onde existiam apenas dois profissionais por semana trabalhando na unidade hospitalar, numero insignificante para atender aos pacientes.

Nos postos de saúde de todo o município estava sem medicamentos para tratamento dos pacientes, um levantamento realizado pela secretaria através do hospital regional de Arapiraca, detectou que este ano a unidade recebeu cerca de 900 atendimentos de moradores de Craíbas e isso se deve aos problemas enfrentados pela saúde em Craíbas.

Um reforma no posto de Saúde da maior comunidade fora da cidade de Craíbas, no distrito de Folha Miúda, já na atual gestão começou a facilitar a vida da população que antes necessitava ir até a cidade de Craíbas para fazer o cartão SUS e receber o atendimento no posto de saúde local, com a informatização do posto o problema foi solucionado.

Denis Moura ainda falou que encontrou o município com todos os programas de saúde parados, o plano municipal de saúde estava sem ser elaborado a três anos,o que segundo o secretario pode trazer problemas para comprovar e conseguir os recursos do Ministério de Saúde para o município.

“ Programas como o trabalho de combate de endemias estava sem funcionar, os últimos dados de 2008 existentes na secretaria mostram que o surto de dengue elaborado em residências no município chegou a risco Maximo de 9.2%,tornando se região de risco”