O trabalho social desenvolvido pela dona-de-casa Aldjane dos Santos, de 26 anos, moradora do Vergel, poderá ter melhores resultados nos próximos dias. Ela é uma das mais de duas mil e seiscentas mulheres que disputam as 300 vagas para o projeto Mulheres da Paz, que tem o objetivo de incentivar mulheres a construir e fortalecer redes sociais de prevenção e enfrentamento às violências que envolvem jovens expostos à violência.

 

As inscrições aconteceram esse final de semana nos bairros do Benedito Bentes, Jacintinho e Vergel. O maior número foi registrado no bairro do Vergel, com 1.160. Em segundo lugar ficou o Benedito Bentes com 742 e no Jacintinho foram 734 inscritas, num total de 2.636 nos três bairros.

 

“Já tenho um trabalho nessa linha social aqui no meu bairro, junto com minha irmã, e sei o quanto é importante a vinda desse projeto para nossa comunidade, tão cheia de violência. Estou muito ansiosa aguardando o resultado da seleção. Sou uma mulher batalhadora e farei o que for preciso para ajudar a contribuir com a redução da criminalidade em minha comunidade”, garantiu Aldjane.

 

O anúncio do projeto nos bairros atraiu mulheres de todas as idades. Maria Costa dos Santos, de 63 anos, disputa uma das 100 vagas do bairro do Jacintinho. Ela confia no trabalho que exerce na igreja evangélica, que segundo ela, já beneficia a comunidades numa linha social de ajuda ao combate a violência.

 

“Estou disposta a trabalhar nesse projeto e continuar sendo uma mulher da paz. Eu gosto desse contato com as pessoas e quando é para trazer bons resultados me estimula mais ainda. Já visito residências pela igreja, evangelizando. Para mim não seria difícil. A capacitação que será dada vai enriquecer muito minha experiência”, considerou.

 

Os nomes das selecionadas serão divulgados nos locais de inscrições no próximo dia 19. Estas passarão por uma entrevista nos dias 21 e 22 para que possam mostrar que estão aptas para trabalhar no projeto. No Benedito Bentes, as entrevistas serão feitas no CAIC, no Jacintinho na Escola Estadual Theonilo Gama e no Vergel na Escola Municipal Rui Barbosa, a partir das ..... horas. O resultado com os nomes das 100 selecionadas por bairro será divulgado dia 25 do mesmo mês, nos locais das entrevistas.


Após o resultado da seleção, as 300 mulheres irão participar de uma capacitação, com início marcado para o dia 28, nos mesmos locais onde houve as entrevistas, com aulas sobre temas relacionados a direitos humanos, como acesso à justiça, violência, entre outros e, depois, deverá desenvolver atividades de integração junto aos jovens, às escolas e à comunidade em geral e irão conhecer a Lei Maria da Penha, os estatutos da Criança e do Adolescente, do idoso, entre outros.


Dona Maria Madalena Moraes disse que espera com ansiedade o resultado da seleção. Ela, que tem 59 anos, estava acompanhada da filha que também se inscreveu. Moradora da grota do Cigano, que fica entre os bairros do Jacintinho e Mangabeiras, dona Madalena, como é conhecida, mostrou que como liderança da comunidade iria contribuir muito com a iniciativa. Para ela, que já presidiu a Associação do Clube de Mães do local onde mora o Mulheres da Paz veio em um momento muito importante para o combate à violência. “Estamos confiantes de que essa iniciativa vai ser muito boa. Caso eu seja selecionada, vou fazer um trabalho social em todos os lugares da minha comunidade, mesmo sendo consideradas áreas de risco”, assegurou a candidata a Mulheres da Paz.


Da mesma experiência fala a moradora do Benedito Bentes Almira Alessandra a Conceição, de 24 anos, que já participa de capacitação promovida pelo Programa Nacional de Segurança com Cidadania (Pronasci) e já atua no bairro como mediadora. “Temos a ajuda da polícia comunitária do bairro e visito as residências, na tentativa de colaborar com uma mensagem de paz. Nosso trabalho já mostra resultados positivos. Em casos mais complicados a polícia comunitária é nosso parceira”, explicou Almira.


Maceió está sendo contemplada com o projeto Mulheres da Paz, a partir de uma iniciativa do Pronasci, executada em Alagoas pela Secretaria de Estado da Mulher, da Cidadania e dos Direitos Humanos, em parceria com a Universidade Estadual de Alagoas (Uneal), que tem o compromisso de selecionar e capacitar as mulheres da paz.

Para participar da seleção foi necessário que as mulheres residissem nas três comunidades que constituem as áreas conflagradas do foco territorial do Pronasci; tenham idade mínima de 18 anos; ter cursado, no mínimo, até a quarta série do Ensino Fundamental ou que comprovem sua capacidade de leitura e escrita; possuam renda familiar até 2 (dois) salários mínimos e possuam disponibilidade de tempo de 12 horas semanais para se dedicar ao trabalho. As 300 mulheres selecionadas irão receber mensalmente uma bolsa de R$ 190,00.

 

“Essas mulheres serão mais 300 soldados do bem, que estarão nas ruas e nas casas em contato direto com as famílias. Elas irão identificar problemas e encaminhar para os programas sociais, bem como irão levar uma mensagem de paz para cada uma das famílias necessitadas. Estamos felizes com o número de inscritas em Alagoas e partiremos para a seleção para a entrevista”, comemorou a coordenadora geral do Mulheres da Paz, Nia Malta.


A seleção e capacitação serão feitas pela Universidade do Estado de Alagoas (Uneal). A reitora e pró-reitora de Extensão, Laudirege Fernandes e Angela Leite, respectivamente, acompanharam e visitaram todos os lugares de inscrições, junto com a equipe da Secretaria de Estado da Mulher, da Cidadania e dos Direitos Humanos, da coordenação do Mulheres da Paz em Alagoas e do Pronasci.