Gilca Cinara Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true

O corpo de policial civil Anderson Lima foi sepultado, na tarde de hoje, no Cemitério Campo Santo Parques das Flores. O enterro, que teve honra militares e salva de tiros, ocorreu sob forte comoção.

Além de agentes da Polícia Civil, estiveram presentes policiais militares e federais, além de delegados da cúpula da Direção Geral da PC e o secretário estadual de Defesa Social, Paulo Rubim.

"Ele foi um herói na tentativa de defender a sociedade. O filho do policial quando crescer vai saber que o pai foi um herói, praticou um ato heróico", afirmou Rubim.

Carlos Jorge, presidente do Sindicato dos Policiais Civis (Sindpol), disse que um grupo de agentes sairá em carreata até o Palácio do Governo para cobrar de Téo Vilela melhores condições de trabalho para a categoria. "Precisamos de segurança para trabalhar", desabafou o sindicalista.

O assalto

A tentativa de assalto a Caixa Econômica, localizada na Rua do Sol, no Centro de Maceió, ocorreu por volta das 9 horas de ontem quando homens armados invadiram o local. A ação aconteceu no momento em que um carro-forte abastecia os caixas eletrônicos do local. Durante a ação, o vigilante Alderssandro Pereira foi atingido com um tiro na cabeça.

Ao perceber a ação dos bandidos, o policial civil e Chefe de Serviço do Tigre, Anderson Lima, 41 anos, que estava na agência para retirar o salário, pediu ajuda a um suposto militar, quando foi atingido por ele com um tiro na cabeça. O homem que estava fardado era um dos assaltantes.

Várias pessoas que estavam no local e aguardavam atendimento entraram em pânico com os tiros deflagrados na agência pelos bandidos. Os bandidos fugiram a pé pela Ladeira do Brito, quando interceptaram uma família e roubaram um veículo Corsa de cor preta.

O policial e o vigiliante morreram no Hospital Geral do Estado (HGE).