Aquiacontece Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true

Com a garantia de verbas destinadas pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social – BNDES, o Chalé dos Loureiros deve em breve receber em suas dependências a implantação do Museu do São Francisco, que servirá de espaço destinado a visitação de turistas e também comunidade local, para conhecer de perto os costumes e hábitos do povo ribeirinho.

O Chalé dos Loureiros que atualmente é propriedade da Fundação Casa do Penedo, foi construído no final do século XIX, pelo engenheiro J.A. Loureiro, responsável na época pela implantação do serviço de abastecimento de água na cidade. A edificação reporta a um estilo de vanguarda no país, sendo ressaltada também a tecnologia utilizada em sua construção, pois, os prédios que se assemelham no Brasil estão datados do início das três primeiras décadas.

Durante esta semana a Fundação Casa do Penedo, presidida pelo psiquiatra Francisco Alberto Salles, reúne no Chalé dos Loureiros, técnicos, engenheiros e arquitetos, que estão expondo a algumas empresas o projeto de restauração do Chalé e da construção de um anexo que abrigará o acervo da Casa do Penedo. A engenheira Fátima Melo, presente a reunião falou do processo de reforma que o espaço deve sofrer nos próximos meses e acrescentou a real necessidade de dispor de um anexo para suportar também o belo acervo que a Fundação Casa do Penedo mantém em sua sede.

Quando construído o projeto arquitetônico inseriu-se numa linha de ecletismo. O chalé que é urbano de influência francesa, oportunou que se integrassem elementos decorativos do classicismo. Ainda é de se sublinhar, por sua peculiaridade, a simetria da fachada principal, resultante de duas varandas laterais, peculiaridade de planta que confere elegância ao prédio e harmoniza-se com o neoclassicismo de suas portas e janelas, que mantiveram a originalidade apesar do desgaste natural do tempo.

O BNDES garantiu o recurso em 2007, na gestão do ex-prefeito Március Beltrão e, está investindo R$ 1.581.050,00 para viabilizar o projeto de restauração dos imóveis que receberão o museu, as demolições, o projeto museológico e a primeira etapa da restauração. O museu será instalado em dois imóveis tombados: a sede do Clube de Pesca de Penedo - Capespe, à beira do São Francisco; e o Chalé dos Loureiros, que receberá o centro de documentação.

O BNDES é atualmente o maior patrocinador no campo do patrimônio histórico do país, privilegiando ações de restauro, conservação, modernização e uso de imóveis tombados pelo Iphan. De 1997 a 2005, o BNDES já investiu R$ 81.876.303,00 em 114 projetos de revitalização de igrejas, casas, fortes, museus, universidades, teatros, cinemas e sítios históricos tombados.

O Museu do São Francisco vai preservar a memória histórica e cultural de todos os aspectos que tornaram o "Velho Chico" tão influente na vida cotidiana dos indivíduos da região. Cada um dos segmentos do rio ganhará um espaço expositivo e de referência onde serão abordados os centros e monumentos históricos, os sítios arqueológicos, os mitos e elementos folclóricos, o artesanato, as festas, as feiras, as manifestações da cultura popular e as características ambientais. As salas de exposição do museu visam difundir conhecimento sobe o rido e estimular a visitação à diversidade ambiental e cultural presente em suas margens.