Foto: Assessoria
DJ FINIZOLA

Pela primeira vez o Festival Carambola vai acontecer totalmente online e gratuito. Em seu 4a ano, o projeto se transforma diante de um cenário inédito e novo para todo mundo. Se dançar dentro de casa deu certo durante o Devassa Tropical Ao Vivo, os próximos dias 16, 21, 23 e 28 de julho vão mostrar que ainda há fôlego para curtir muita música boa sem descumprir o isolamento social tão necessário no momento. Preparados?

Com uma programação formada por shows virtuais e atividades de formação, o Festival Carambola Online tem patrocínio de Devassa e Sebrae Alagoas e apoio da Carajás e Tintas Coral. Música e conteúdo relevante serão transmitidos de forma inteiramente grátis para o público - sempre a partir das 19h00, no canal de Devassa no Youtube (youtube.com/devassa). “Estávamos preparando a maior edição de todas para 2020, mas a pandemia nos fez reformular com cautela nossas ações. Estamos levando uma parte de tudo isso para o digital. A internet será o palco da vez e garantimos que será uma experiência única”, conta Lili Buarque, uma das organizadoras do evento.

A MÚSICA NÃO SERÁ CANCELADA
A partir do dia 10 de julho até o fim do mês, uma ação do Festival Carambola em parceria com Devassa, e os festivais Radioca, DoSol e CoMa, intitulada de “A Música não será Cancelada”, vai comercializar em todo o território nacional uma camisa exclusiva e com fins beneficentes.


Todo o valor arrecadado será destinado a cadeia produtiva da música, que sofre há mais de 3 meses com o impacto da pandemia na realização de shows e eventos. “Estamos mais que engajados na missão de não deixar a música brasileira parar e a internet tem garantido a visibilidade e democracia necessárias para levantar essa bandeira”, conta Coy Freitas, Diretor Artístico e Curador da plataforma de música Devassa Tropical Transforma. As vendas acontecem na Lojinha Carambola.

PROGRAMAÇÃO

No dia 16 de julho, quinta-feira, acontece a mesa redonda “A Música não será Cancelada”. Estarão no debate Anderson Foca (Festival do Sol), Carol Morena (Festival Radioca), Tomás Bertoni (Festival Coma) e Lili Buarque (Festival Carambola). A mediação fica por conta do músico e professor Victor de Almeida (UFAL). Os shows do dia são com o DJ Tauí (AL), e a cantora e multi-instrumentista Bia Ferreira (MG).


No dia 21 de julho, terça-feira, é a vez da palestra "Como formar redes de negócios criativos para enfrentar a pandemia", com Débora Lima (SEBRAE/AL). O palco tropical será comandado por DJ Eleva e o trio Tequilla Bomb (AL).

No dia 23 de julho, quinta-feira, Coy Freitas (Devassa) e Russo Passapusso (BaianaSystem) conversam sobre “o território tropical”, em um papo sobre a contemporaneidade da música brasileira, sua diversidade e conexão com raízes e ancestralidade manifestada em diferentes linguagens. O DJ que anima a noite é Patrick Tor4, seguido de um show duplo das drags Maju Shanii (AL) e Potyguara Bardo (RN).


Encerrando o mês de formações e shows, a palestra “Trilhas sonoras: as possibilidades da narrativa através do som”, com Barulhista (MG) e o som do DJ Finizolla e da cantora Ju Strassacapa (Francisco, el Hombre, SP).

Para Débora Lima, do Sebrae, as atividades de formação são uma forma de manter diálogos construtivos sobre música e arte mesmo em um período em que a maioria das atividades artísticas foram suspensas. “A grade de debates foi pensada para somar e se encaixar nas problemáticas e questões que estamos inseridos agora. Não podemos parar.”

CAMPANHA ESPELHO
E como forma de apoio à classe artística local, o Sebrae Alagoas se uniu à Lojinha Carambola em uma ação de espelho entre os dias 15 e 30 de julho. O Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas em Alagoas doará cestas básicas no valor total arrecadado em vendas na Lojinha nesse mesmo período. “Há alguns meses o Carambola deu início a esse e-commerce como forma de apoiar profissionais que estão passando por necessidades e o Sebrae vai estar somando a essa causa tão nobre”, explica Didi Magalhães, também da organização do festival.

“Estamos construindo um capítulo muito importante com esse projeto todo. Cada detalhe dele importa e tem um peso para a comunidade cultural em Alagoas. Vai ser lindo”, conclui Fernanda Guimarães, que integra o trio de organizadoras do festival.