Nesta segunda-feira (06), foi iniciada a demolição de mais quatro blocos do Conjunto Habitacional Jardim Acácia, localizados no bairro Pinheiro. O processo está sendo realizado por meio do Termo de Cooperação Técnica 3 firmado entre a empresa Braskem e a Prefeitura de Maceió, que estabelece a mútua cooperação em busca de soluções para os problemas enfrentados nos bairros afetados pela instabilidade de solo provocada pela atividade de mineração – segundo relatório do Serviço Geológico do Brasil (CPRM). 

A demolição foi iniciada por volta das 9h30 pelo bloco 14. Segundo o Plano de Demolição Controlada apresentado pela empresa à Defesa Civil, o cronograma de demolições segue de forma gradativa no dia 09/07 com a demolição do bloco 16, em seguida no dia 13/07 com a demolição do bloco 17 e no dia 15/07 com a demolição do bloco 10. A previsão de conclusão do cronograma, com a limpeza da área e retirada do isolamento, é o dia 7 de setembro. 

O serviço está sendo executado por uma empresa de engenharia contratada pela Braskem, mediante solicitação expressa da Defesa Civil Municipal. Serão demolidos os blocos 10, 14, 16 e 17, todos inseridos em área já interditada pela empresa Braskem através de Termo de Cooperação Técnica. A medida foi adotada pelo Município devido à evolução do processo de subsidência na região e o aumento do risco de tombamento das estruturas, constatada através de laudo de inspeção predial realizado por empresa especializada, trazendo risco à população.

“A Defesa Civil trabalha dentro de um protocolo de ações e toda decisão tomada pelo órgão tem como objetivo a salvaguarda da população. Para que a demolição seja solicitada, há um processo interno iniciado pelas equipes de monitoramento, que vão a campo e verificam os fissuramentos dos prédios. Após esse momento, solicitamos uma inspeção predial e, caso o risco seja constatado, a demolição é solicitada”, explicou o diretor de Planejamento e Redução de Riscos da Defesa Civil, Arthur Rodas. 

Rodas também falou sobre as medidas que foram adotadas antes de iniciar o processo de demolição. “Além de isolar a área, a Defesa Civil tomou alguns cuidados para que a população atingida pela ação fosse devidamente acompanhada pelo Programa de Compensação já estabelecido. Antes de iniciar o processo, entramos em contato com todos os moradores envolvidos e líderes comunitários da região e estabelecemos reuniões e diálogos com a Braskem”, explicou.

Os proprietários dos apartamentos afetados e que receberam Ajuda Humanitária foram comunicados da demolição e estão recebendo da Defesa Civil Municipal uma Declaração de Inabitabilidade, que traz informações oficiais sobre o processo de demolição. Aqueles que ainda não tiveram acesso ao documento podem obter mais informações pelo número 199.  

Desde o mês de junho, a área no entorno dos prédios que estão com a estrutura colapsada está isolada devido ao risco de tombamento. O trânsito também está parcialmente interditado para segurança da população. 

Programa de Compensação 

De acordo com a empresa Braskem, todos os moradores ou proprietários dos 96 apartamentos localizados nos quatro blocos que estão sendo demolidos foram identificados pela equipe de técnicos sociais da empresa e se encontram em atendimento no Programa de Compensação Financeira.

Moradores que ainda não foram contatados devem ligar para o número  0800 006 029.