Por que, a LIVE solidária, de uma banda de Alagoas,para ajudar as gentes do turismo se utiliza do estereótipo racista da nêga maluca?

  • Arísia Barros
  • 05/07/2020 20:13
  • Raízes da África

Alagoas é um território, historicamente, de lutas libertárias, que deveria  traduzir o fundamento fundante da resistência ao escravismp de [email protected]
Alagoas  foi sede do Quilombo dos Palmares, o primeiro estado negro das Américas, e que teve como a grande articuladora, mas, invisível,uma mulher preta de nome Aqualtune, a princesa africana.
Dizem que as gentes alagoanas arrotam um  orgulho de Zumbi (de verdade?), mas, essas mesmas gentes da terra das lagoas,  batizadas por águas curativas, que suprem as   necessidades de comunidades pobres e pretinhas, é acidamente racista.
A acidez do racismo  está posto, em muitos momentos squando se utiliza de estereótipos racistas e segregadores de  elementos como a  nega maluca, ou o samba do crioulo doido.para  promoção do discurso de branquitude.
E surge a pergunta: por que, a LIVE solidária para ajudar as gentes do turismo,de uma banda de Alagoas, se utiliza do estereótipo racista da nêga maluca?
Por que nós, [email protected], devemos ser motivo de magação para  entreter.inglês?
Se o turismo de Alagoas tem fundamento na história de quilombolas está mais do que na hora de recontar  história de [email protected] Sem a nega maluca.
Por quê Alagoas , continua tão é racista?