Cortesia
Caixas de azitromicina são encontradas em lixo de presidio

Imagens obtidas pelo Cada Minuto mostram que diversas caixas de Ivermectina, medicamento usado no tratamento para complicações causadas pela Covid-19, foram encontrados no lixo do presidio de segurança máxima, localizado na cidade de Girau do Pociano, no agreste de Alagoas. 

De acordo com funcionários da empresa que administra a unidade prisional e que preferiram, não se identificar, ninguém sabe o que foi feito com a medicação que tem faltado nas prateleiras de farmácias e drogarias espalhados por todo o país. 

“Apesar de termos funcionários dentro da unidade que tiveram sintomas da Covid, nenhum destes medicamentos foi distribuído entre os servidores e também não há registro de reeducandos que testaram positivo”, disse.

Os funcionários acreditam que ou ocorreu desvio de medicação, ou a medicação esteja sendo ministrada dentro da unidade como profilaxia, que é quando se estabelece medidas preventivas para a preservação da saúde. 

Apesar da medicação está sendo utilizada em pacientes graves e em Unidades de Terapia Intensiva (UTI), médicos especialistas e a Organização Mundial de Saúde (OMS), alertam que não há comprovação cientifica de que o medicamento ivermectina, venha fazer efeito preventivo ou que possa combater as consequências causadas pelo Covid-19. 

Pesquisas envolvendo essas e outras drogas sequem em andamento. Porém ainda não há resultados conclusivos, o que descarta a possibilidade de uso na prevenção ou no tratamento. 

Através de nota encaminhada à reportagem, a Secretaria de Estado de Ressocialização e Inclusão Social (SERIS), informou que caracteriza a denúncia como “improcedente” e que “apenas as caixas foram descartadas e que os medicamentos seguem guardados dentro da unidade”.

Confira a nota na integra:

A chefia do Presídio do Agreste informa que os medicamentos destinados aos reeducandos são adquiridos pela empresa responsável pela cogestão da unidade, localizada no município de Girau do Ponciano.

Por se tratar de uma farmácia de distribuição interna, todos os medicamentos que chegam à unidade têm as caixas descartadas, visando facilitar a organização dos fármacos e posterior utilização.

A gestão esclarece, ainda, que há três casos confirmados de Covid-19 entre os custodiados – outros cinco apresentaram sintomas de síndrome gripal e seguem monitorados.

Entre os servidores, são 15 as notificações, com apenas um caso confirmado, de um policial penal. Já entre os casos suspeitos há 13 policiais penais e um prestador de serviço.

Todos os servidores e reeducandos que testaram positivo foram medicados conforme o protocolo de tratamento da Covid-19, sendo permanentemente acompanhados pelo corpo clínico da unidade prisional.

A Secretaria da Ressocialização e Inclusão Social (Seris), por sua vez, garante prestar toda a assistência necessária ao servidor penitenciário em meio à pandemia de Covid-19, reforçando também seu compromisso com a atenção à saúde da população carcerária