Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true

Ninguém, em lugar algum, poderia ter previsto o que estamos testemunhando agora: em apenas algumas semanas o colapso acumulado das cadeias de suprimento globais, da demanda agregada, do consumo, investimento, exportações, mobilidade.

Ninguém aposta mais em uma recuperação em forma de L – para não dizer uma recuperação em V. Qualquer projeção do Produto Interno Bruto (PIB) global em 2020 entra no território incerto da “queda de um penhasco”.

Nas economias industrializadas, em que cerca de 70% da força de trabalho está nos serviços, inúmeras empresas de diversas indústrias entrarão em um colapso financeiro que eclipsará a Grande Depressão.

Isso abrange todo o espectro de possivelmente 47 milhões de trabalhadores dos EUA em breve demitidos – com a taxa de desemprego disparando a 32% – até a advertência da Oxfam de que, no momento em que a pandemia passar, mais da metade da população mundial de 7,8 bilhões de pessoas poderia estar vivendo na pobreza.

De acordo com o cenário mais otimista de 2020 da Organização Mundial do Comércio (OMC) – certamente desatualizado antes do final da primavera – o comércio global afundaria em 13%. Um cenário mais realista e sombrio da OMC vê o comércio global mergulhar 32%.

O que estamos testemunhando não é apenas um curto-circuito maciço da globalização: é um choque cerebral estendido a três bilhões de pessoas hiperconectadas e simultaneamente confinadas. Seus corpos podem estar bloqueados, mas são seres eletromagnéticos e seus cérebros continuam trabalhando – com possíveis consequências políticas e outras imprevisíveis.

Em breve estaremos enfrentando três grandes debates interligados: o gerenciamento (em muitos casos horrorosos) da crise; a busca de modelos futuros; e a reconfiguração do sistema mundial.

Para ler mais: http://www.orientemidia.org/pepe-escobar-a-falencia-total-do-sistema-dara-origem-a-uma-nova-economia/