Depois de duas semanas de trabalho, técnicos do Instituto Brasileiro de Museus constataram que a maior parte das obras de Helio Oiticica poderá ser salva. Além das que não foram atingidas, há muitas que podem ser recuperadas. Algumas obras do artista foram destruídas num incêndio na casa de seu irmão há duas semanas e não estavam no seguro.

Nesta sexta-feira (30), o secretário-executivo do Ministério da Cultura, Alfredo Manevy, disse que 70% do acervo já foram salvos. Os metaesquemas, atingidos pela água usada no combate fogo, foram todos recuperados com o uso de secadoras especiais cedidas por museus de vários Estados.

“Quando você olha esta sala do jeito que ela ficou, tudo preto, imagina que não restou nada. Hoje isso se reverteu, as previsões são bem mais otimistas e mudam a cada dia conforme pareceres de restauradores e outros técnicos”, completou o sobrinho do artista, César Oiticica Filho.

Já outra parte importante do trabalho do artista, os parangolés foram perdidos e vão ganhar réplicas. São esculturas móveis, como capas e bandeiras, que só mostravam plenamente as formas, os grafismos e as texturas ao serem vestidas por pessoas. O Ministério da Cultura e a família do artista planejam para o ano que vem uma série de exposições pelo país com as obras de Helio Oiticica.