Foto: Agência Brasil Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true Carteira de Trabalho

Dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) no mês de abril mostrou que Alagoas conseguiu manter mais de 60 mil empregos formais com o Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e Renda. No entanto, o número de desempregados é considerado o terceiro maior do Nordeste.

Os números, divulgado nesta quarta-feira (27), mostram que Alagoas chegou pouco mais de 26 mil postos de trabalho entre os meses de janeiro e abril. No Nordeste, o cenário foi pior em Pernambuco que fechou 53 mil desligamentos e na Bahia com 37 mil.

No mês de abril, quando a doença avançou ainda mais pelo estado, Alagoas fechou 7.095 postos de trabalho, principalmente no setor do comércio, que está com as portas fechadas devido às medidas de isolamento social.

O Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e Renda foi lançado pelo governo federal para tentar frear o número de desempregos em todo país com os efeitos da pandemia e permite a redução proporcional de jornada e salário dos trabalhadores ou suspensão de contratos.

Em todo país, a  pandemia do coronavírus levou a um número recorde de desligamentos em abril, com o saldo entre contratações e demissões ficando negativo em 860.503. O número é o maior já registrado no mês de abril na série histórica.

De acordo com os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), que tem início em 1992, o pior desempenho para o mês havia sido em abril de 2015, que registrou saldo negativo de 97.828.