Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true

Com a chegada das chuvas em Maceió nos últimos dias, moradores de diversos bairros relataram o aparecimento de insetos de chuva em grande número nas suas residências. As formigas e demais bichos têm, no tempo chuvoso, uma reprodução maior e mais acelerada ainda pela falta de predadores naturais.

De acordo com o biólogo Pablo Diego, existem várias espécies, mas as mais comuns de aparecer são de formigas e cupins. Apesar da grande quantidade, os insetos não são vetores de doenças. Mas mesmo assim podem causar prejuízos aos proprietários dos imóveis, principalmente no que se refere aos móveis.

O que muitas pessoas chamaram de “surto”, o especialista afirma que o grande volume de chuvas proporciona aos insetos as condições ideais para a mudança do corpo deles. São nessas condições climáticas que as formigas, por exemplo, começam a desenvolver asas. É o que a ciência chama da fase “alada”.

A grande quantidade de insetos se dá, na maioria das vezes, pelo que os biólogos chamam de “descontrole biológico”. Quando existem muitos insetos desse tipo, mas faltam os predadores naturais que fazem essa “regulação” da quantidade.

Um dos principais atrativos para esses bichos de chuva é a luz artificial. O local mais comum de se ver as formigas, é voando perto das lâmpadas. E a principal, mais simples e mais barata solução para evitar a invasão desses insetos é a instalação de panos úmidos por baixo das portas e deixar as janelas e todas as entradas da casa fechadas em épocas como essa.

Outra opção pode ser um tipo de lâmpada específico para combater esses insetos. Esse equipamento específico atrai os bichos, por irradiar a luz artificial e, ao encostarem, recebem uma pequena descarga elétrica e já caem mortos em uma bandeja que fica abaixo da lâmpada.

*Sob supervisão da editoria