Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true

O empresário sequestrado em Maceió por aplicar um golpe no mercado financeiro, já havia sido processado por prometer retorno financeiro com suposta venda de pedras preciosas em Alagoas. O processo está em andamento desde 2015, quando a vítima do golpe o denunciou para Justiça.

Em consulta ao sistema do Tribunal de Justiça de Alagoas (TJ/AL), o CadaMinuto teve acesso ao andamento do processo, que está em fase de recurso. De acordo com o relato da vítima, em 2013 ela foi convidada para assistir uma palestra no Hotel Enseada, sobre investimento de dinheiro, em Maceió, quando conheceu Rodrigo Bueno.

Naquele mesmo dia, Bueno convencido as pessoas presentes na palestra a fazer um investimento na empresa denominada “Click Prime 8”, comprando “pacotes” de investimento com nomes de pedras preciosas. A promessa era que o investimento teria um retorno de  aproximadamente 16,6% ao mês, dessa forma, o investidor resgataria, ao final de 12 meses, o dobro do valor investido.

Somente dessa vítima, Rodrigo Bueno recebeu uma transferência de R$ 14.220,00, sendo R$ 13.920,00 da venda de pacotes e mais R$ 300,00 da adesão ao plano. “Após um mês da entrega do dinheiro, o retorno prometido por Rodrigo Bueno não ocorreu. Procurado, o demandado pediu para que o Autor tivesse paciência, que, assim, a recompensa seria maior. Desde então, essa rotina de procrastinação durou por mais 06 meses, até que o autor, finalmente, se deu conta que havia caído num golpe dado por Rodrigo Bueno”, diz trecho do processo.

Sequestro

Após o sequestro de Rodrigo Bueno, a Polícia Civil passou a investigar os negócios mantidos por ele, que acabaram motivando o crime praticado por um Guarda Municipal e subtenente do Corpo de Bombeiro do Rio de Janeiro. Os acusados do sequestro apontam que também fizeram um investimento com Bueno no valor de R$ 150 mil e não obtiveram retorno.

De acordo com as primeiras investigações da Polícia, o sequestro foi praticado para que os acusados pudessem reaver o valor investido. Em depoimento, o sogro e o genro, que são do Rio de Janeiro, contaram que ao perceber que o negócio não estava indo bem, e com receio de perder a quantia, resolveram vir cobrar do empresário o dinheiro.

No entanto, Rodrigo Bueno alega que devolveu o dinheiro aos acusados. A reportagem do CadaMinuto buscou localizar a defesa de Rodrigo Bueno para comentar sobre o processo em andamento, mas não conseguiu localizar e deixa o espaço aberto para quaisquer esclarecimentos.