Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true

O setor produtivo em Alagoas vem buscando uma série de medidas para possibilitar a reabertura do comércio a partir do 1 de junho, quando acaba o prazo do último decreto publicado pelo governador Renan Filho. Esse retorno, conforme o planejamento apresentado pela Associação Comercial de Alagoas, ocorreria de forma escalonada e organizada para evitar a propagação do contágio do novo coronavírus.

 

Fazendo a interlocução entre a prefeitura de Maceió, o Governo do Estado e os empresários, o vereador Chico Filho (MDB) afirma que o comércio não aguenta passar mais de 70 dias com as portas fechadas, assim como o setor da indústria, que mesmo funcionando, não tem como escoar sua produção.

 

O parlamentar explica que é preciso que os gestores comecem a analisar como será o “novo normal” com retorno da população às ruas para que essa reabertura venha começar a ocorrer de forma gradativa. “O setor privado não é responsável por essas contaminações e os estabelecimentos que estão abertos nesse momento servirão de exemplo de como as demais lojas do comércio podem voltar a funcionar. Temos que começar a pensar como será o novo normal”, comentou Chico Filho.

 

Segundo ele, o setor econômico terá que andar alinhado às ações de saúde e os empresários terão, por obrigação, se adequar as normas da vigilância sanitária para manter seus estabelecimentos abertos. Dentro do planejamento da Associação Comercial, a abertura das lojas seria primeiro entre os estabelecimentos que apresentam menos aglomeração, tanto de funcionários quanto de clientes, para posteriormente, iniciar a abertura das demais.

 

“Seria uma reabertura considerando do menor risco de aglomeração para o maior, pois, além disso, as pessoas estão com medo de ir para as ruas e é preciso criar um ambiente favorável, principalmente com a educação da população sobre o uso de máscara e outros cuidados essenciais”, reforçou o vereador Chico Filho.