Foto: Alex Loyola Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true Dep. Tereza Nelma

O PSDB quer adotar“posições progressistas”. E ainda pode discutir uma candidatura própria à Prefeitura de Maceió, após a quarentena do Coronavírus. É o que afirma a presidenta do PSDB de Maceió, deputada federal Tereza Nelma. Ela é, também, 2ª Secretária da Executiva Nacional e Coordenadora do Movimento Feminino tucano em Alagoas, além de Coordenadora Adjunta da Bancada Feminina da Câmara de Deputados. Do seu isolamento na Barra de São Miguel, ela deu a seguinte entrevista exclusiva ao Cada Minuto.

Há muito se fala na falta de direção no PSDB de Maceió. Por que demorou tanto?

TN - O PSDB passou por momentos conturbados, que culminou com a saída de um grupo, do prefeito de Maceió. A transição da presidência do partido para o senador Rodrigo Cunha, que propõe uma nova política,tentou manter a unidade partidária. Além disso, eu passei por sérios problemas de saúde, em virtude de erros médicos em uma cirurgia. E ainda veio a pandemia do Coronavírus. Agora que estou plenamente recuperada, assumi a presidência em Maceió, ao lado de dirigentes com ideias novas e compromissos progressistas.

Então o PSDB vai participar da eleição de Maceió como oposição?

TN – Sim, na oposição. Mas oposição à injustiça e não em termos personalistas, ou de grupos. Estamos revendo práticas que provocaram o abandono de posições humanitárias,que levaram o PSDB à presidência da República. Somos oposição à fome, ao desemprego, à violência, à falta de assistência social, à saúde, à discriminação.

Vocês querem tomar as bandeiras da esquerda?

TN – Não vamos entrar nesse velhodebate ideológico esquerda contra direita. É totalmente inoportuno. Os perigos que estamos passando agora no Brasil, por causa de uma família autoritária aliada com poderosos aproveitadores, mostra que a discriminação ideológica é uma capa de fumaça perigosapara ataques à democracia e à Constituição. Tambémcausa prejuízos sériosaos pequenos e médios empresários e comerciantes.A classe média está sendo achatada. Os trabalhadores perdem direitose as populações abaixo da linha de miséria, nas grotas, passam fome.Só lutando juntos seremos capazes de resolver os graves problemas econômicos e sociais. A luta é pela democracia, contra o golpismo.

Seu nome chegou a ser considerado como candidata a Prefeita de Maceió.

TN–Eu nunca me apresentei como candidata. Em 2018 me ofereceram até ser candidata a governadora. Era armadilha. Um grupinho conservador não me queria deputada federal. Chegou até sabotar minha propaganda da TV e do rádio, no Guia Eleitoral. Foram as pessoas humanistas, as mulheres, as pessoas com deficiências, os discriminados e os excluídos que me elegeram. Sou grata porque fui votada em todos os municípios. Entre os deputados federais eleitos sou a segunda mais votada em Maceió.

Então, o candidato do PSDB, como diz o senador Rodrigo Cunha, será o deputado federal JHC?

TN – Ninguém pode negar os méritos do deputado federal JHC. O senador Rodrigo Cunha foi aliado dele na eleição passada, mas o PSDB ainda não debateu nem decidiu sobre aseleições deste ano. O projeto da Prefeitura de Maceió tem que ser encarado com muita seriedade. JHC, Rodrigo e eu fomos os mais votados da Capital. Isso é muita responsabilidade.

Já existe consenso sobre o nome do vice, ou da vice, na chapa do JHC?

TN – Se ainda nem discutimos o candidato a prefeito, muito menos o vice. Veja minha saia justa. Tenho boas relações pessoais com quase todos os candidatos cotados na mídia. O JHC até me visitou no hospital em São Paulo, e há uma semana fiz uma live com ele sobre o combate aoCoronavírus. Convivi com o Davi Davino, pai, filhoe mãe, nas reuniões em casa ou na Câmara de Vereadores. Sempre convivi bem com o Alfredo Gaspar, queesteve presente numa missa de agradecimento pela minha cura. Fui companheira de partido do Ronaldo Lessa, e apoiei suas administrações.Assim, temos que nos reunir em torno de um programa, uma união por uma Maceió participativa, com oportunidades para todos, principalmente os jovens.

Se não houver essa aliança por Maceió o PSDB pode lançar uma candidatura própria?

TN – Vamos começar o debate. Já temos nossa chapa de candidatos a vereadores, com gente nova na política, que vai surpreender. Em Maceió estão referências no partido, como Théo Vilela e a ex-ministra Solange Jurema. Pretendoainda ouvir, junto com o senador Rodrigo Cunha,todos os candidatos a prefeito que queiram dialogar.Vou defender a aliança das forças humanizadoras. Se não for possível uma boa aliança, teremos um plano B. Aí iremos examinar a candidatura própria.

É verdade que sua filha, a Teca Nelma,vai ser candidata a vereadora?

TN – Tenho duas filhas, Yara Janaina, médica, que conquistou suas posições através de concurso. E a Teca, que tem o meu nome. Ela está concluindo o curso de Relações Internacionais, e já esteve em vários países realizando trabalhos com populações pobres. A Teca sabe que o “concurso” para sua realização é o voto. Cabe a ela decidir.

Existe a possibilidade de adiamento das eleições, ou até de prorrogação dos atuais mandatos para a coincidência das eleições. O PSDB já se posicionou?

TN – Esse problema está sendo debatido no Congresso Nacional. Cada dia avança mais a compreensão sobre a necessidade de adiar as eleições para novembro ou dezembro. O Coronavírus praticamente inviabilizou as eleições em outubro. Quanto a prorrogar mandatos, sou contra. A única vez que houve essa anomalia foi durante a ditadura militar, que chegou até a criar a figura de Senador biônico, nomeado pelo ditador. Foi um desastre.Não queremos repetir.

Como está sendo a atuação da deputada federal Tereza Nelma durante a quarentena?

TN – Os médicos determinaram um período de restabelecimento, após a alta do hospital.Fiquei internada quase cinco meses. Estava com minhas defesas baixas. Aí o Coronavírus ampliou sua área desastrosa. Estou na minha casa na Barra de São Miguel, com meu marido e a Teca.Estou atualizando meu hobby de organizar álbuns fotográficos de família, e trabalhando muito na Câmara de Deputados,participando das sessões e votações on-line. Acabei de apresentar um projeto de lei para formar listas únicas de pacientes do Covid-19 que precisam de UTIs, em hospitais públicos e privados. Também pude redirecionar R$ 11 milhões de minhas emendas parlamentares para o combate ao Coronavírus, ouvindo o governo de Alagoas, Maceió, Arapiraca e mais uns dez municípios. Ainda articulei a aprovação de um projeto de lei, meu e da deputada Carmen Zanoto, que autorizou o uso de cerca de R$ 6 bilhões de sobras de recursos de projetos não executados, que mofavam em fundos de saúde municipais, estaduais e nacional. Fora disso, já doei mais de 1.500 máscaras, centenas de cestas básicas e kits higiênicos para todos os abrigos de idosos de Maceió. É a luta pela vida, sem discriminações.