Assessoria Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true Deputado Marcelo Beltrão

O presidente da Comissão de Educação, Cultura, Esporte e Turismo da Assembleia Legislativa, deputado Marcelo Beltrão, considera a manutenção do calendário do Enem 2020 pelo Ministério da Educação um erro. As inscrições foram abertas nessa segunda (11) e as provas estão previstas para serem realizadas no mês de novembro.
Em um vídeo publicado em suas redes sociais, o deputado afirmou que seguir com este cronograma diante de uma pandemia, com escolas fechadas e aulas suspensas, será muito prejudicial aos estudantes, principalmente os das escolas públicas, que estão tendo grande dificuldade de estudar.

“O Enem é uma avaliação muito importante e tem como dois grandes objetivos a democratização do acesso ao ensino superior e avaliar como está o ensino nas escolas. Manter o calendário em um momento como este de pandemia e com as escolas com aulas suspensas, é prejudicar os dois objetivos.  Fere o objetivo de democratizar o acesso às universidades, já que muitos estudantes não estão tendo aulas e, nas escolas públicas que estejam sendo realizadas aulas virtuais, muitos alunos não conseguem assistir por não terem acesso à internet. Além disso a avaliação fica comprometida porque o nível de conhecimento também fica prejudicado por conta da pandemia. Uma disputa por vagas extremamente desleal”, disse o deputado.

O assunto também foi um dos temas de uma reunião virtual realizada com todos os presidentes das Comissões de Educação das Assembleias Legislativas, realizada na última sexta-feira (08). De acordo com o deputado Marcelo Beltrão, durante a discussão foi acordada a elaboração de uma carta conjunta em defesa do adiamento do Enem 2020.

Marcelo Beltrão defende ainda que, caso o Enem seja realizado nas datas previstas, que a prova sirva apenas como um diagnóstico para ser o ponto de partida para o planejamento da recuperação do conteúdo no após a pandemia.

“Espero que possamos ter essa decisão revertida. São milhares de alunos de escolas públicas sem condições de ter aulas online, sem acesso à internet, sem um local tranquilo para estudar. Que a gente possa ver o Enem sendo usado, na volta da pandemia, como avaliação do conhecimento que foi adquirido durante esse momento de isolamento, de quarentena. Que sirva de diagnóstico para as escolas públicas e privadas no planejamento para o aperfeiçoamento da educação do nosso país. Educação é desenvolvimento e a saída para todas as mazelas da nossa sociedade”, finalizou o deputado.