Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true

Há exatos 53 dias, após o primeiro decreto governamental que recomendou o isolamento social, para não disseminar o Covid-19 no estado de Alagoas, parte das famílias alagoanas trocaram os domingos festivos na casa de parentes pelo silêncio, mas não perderam a criatividade de criar alternativas para matar a saudade e sentir sempre juntos. 
 
E realidade da família alagoana Calheiros e Oliveira, que possui o costume de sempre se reunir e realizar festas entre os mais queridos, não tem sido diferente. Contudo, na busca incansável por aliviar a saudade de ficar próximo daqueles que eles amam, a família resolveu promover uma homenagem. 
 
Um vídeo foi publicado nas redes sociais, os parentes se reuniram em suas residências e resolveram cantar aquilo que melhor sabem, o hino da família. Em uma entrevista ao Cada Minuto, o aposentado Gilson Calheiros, contou que a família sempre foi muito grande, mas isso nunca foi empecilho para que toda essa galera se juntasse sempre que pode. 
 
“Somos uma família de 12 filhos, sendo seis homens e seis mulheres, todos nascidos em Maceió e criados no tradicional bairro de Bebedouro, e sempre foi assim, a gente busca fazer festas, em datas comemorativas, fazer excursões, temos grupo de voleibol duas vezes por semana e até grupo de oração”, disse Gilson. 
 
Apesar de nunca imaginar que um dia passaria por uma situação tão difícil quanto a que vive o mundo, o aposentado destacou que a união e a animação que a família sempre construiu acabou passando de geração em geração e a prova disso, segundo Gilson, foi a belíssima homenagem. “Por isso, os mais novos tiveram essa ideia de prestar essa homenagem a toda família, e até mesmo buscando amenizar a saudade, devido a toda essa pandemia”. 
 
Questionado sobre a saudade, Gilson disse que tem sido muito difícil, mas a consciência coletiva, tem sido primordial para que a saúde de todos possa prevalecer. “Estamos todos consciente da necessidade deste isolamento neste delicado momento em que vive o nosso país, é para o meu bem, é para o bem de todos”, finalizou. 
 
Problemas na interação humana
 
A vivência inédita de confinamento dentro de suas residências e o distanciamento social entre as pessoas por causa de um vírus em pleno século 21 cabe no enredo de filmes apocalípticos de ficção científica ou até mesmo de romances distópicos. Na realidade, essa trama indesejada, pode surgir recheada de desconfortos, situações de stress, desequilíbrio emocional e até mesmo alguma neurose, é o que alertam alguns psicólogos.
 
A psicóloga Célia Fernandes explica que nem tudo há de ser flores, principalmente quando convive 24 horas do dia dentro do mesmo espaço com aquela pessoa. “Conflitos podem surgir na família, entre pais e filhos e entre os casais. O conflito é normal. Precisamos trabalhar a comunicação, compreender que temos personalidades diferentes e interesses diferentes.”
 
Célia recomenda também a organização e o estabelecimento de regras sobre a divisão do tempo e do espaço que permitam o trabalho e a rotina de descanso. Já para quem tem filhos, é importante dar atenção às crianças e ao lazer infantil. Já para adultos, é importante incluir na rotina a realização de atividades de interesse pessoal, como estudo, leitura ou diversão - como assistir filmes e até maratonar diversos episódios das séries preferidas. 
 
*Sob supervisão e com informações de Agência Brasil