Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true

Todo mundo, literalmente, em isolamento social devido à pandemia de coronavírus e no meio disso as pessoas estão com mais “tempo livre” e conectadas na internet, o tem gerado lentidão na rede.

De acordo com dados do Speedtest.net, site para teste de velocidade de internet mais usado do mundo, o número de pessoas que estão em casa e acessando a internet ao mesmo tempo pode ser o maior já registrado na história.

Em regiões metropolitanas de vários países, incluindo os Estados Unidos, o governo local decretou o fechamento de praticamente todo tipo de estabelecimento, com exceção de farmácias, supermercados, clínicas e hospitais o que aumentou o número de cidadãos que estão impedidos de sair de casa e consumindo mais conteúdo de mídia via streaming e também se comunicando essencialmente por meio da internet.

Diante do risco de uma instabilidade no fornecimento da internet, o Speedtest passou a monitorar várias regiões dos EUA e já observou a queda na velocidade de download da internet fixa na terceira semana de março, assim como uma variação na velocidade e na latência da conexão móvel.

No Brasil, a crise relacionada à quarentena ainda está no início, segundo especialistas, mas pode durar meses. No exterior, o tráfego via redes IP subiu 40%, e o consumo de dados móveis cresceu 25%.

À medida que a demanda sobe, a tendência é que a velocidade da conexão caia e a latência aumente. Nesse sentido, não adianta oferecer pacotes com franquias ou velocidades maiores para o público se a infraestrutura não se adequar à demanda e ao número de pessoas acessando ao mesmo tempo.

*Com Tech Tudo