Vinícius Firmino/Ascom ALE Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true Deputada Jó Pereira

“Testar, testar e testar... Assim orientou a Organização Mundial da Saúde. Não conseguiremos parar a pandemia de Coronavírus sem saber quem está infectado”, alertou a deputada Jó Pereira (MDB) ao relatar, em pronunciamento na sessão desta quinta-feira (19), na Assembleia Legislativa, sua preocupação com a quantidade de possíveis infectados que ainda estão “invisíveis”.

“Precisamos do isolamento de todos e não apenas dos infectados... Precisamos conter a pandemia através da testagem e do isolamento, porque além dos insumos insuficientes, não temos, no país, capacidade de analisar material recolhido... No Brasil e em Alagoas estamos testando apenas os casos graves, com necessidade de internação... Se um idoso tiver essa necessidade, ele não tem chance de sobrevivência e nós não temos estrutura física para suportar atender apenas os casos graves quando estiverem graves”, destacou.

Jó lembrou que hoje o país só tem capacidade de processar 1.450 exames por dia e, conforme o Ministério da Saúde, somente em maio esse número deve chegar a 4.500 testes/dia.

“Nós não nos preparamos para enfrentar a pandemia, nem para testar e nem para cuidar e ainda estamos adiando o isolamento”, disse, citando a bem sucedida experiência da Coreia do Sul no controle da pandemia e a pesquisa realizada por chineses e norte-americanos que apontou que os infectados não detectados aceleraram a explosão dos casos na China.

Para chamar a atenção para o pequeno número de testes realizados, a parlamentar citou dois exemplos, o caso de uma mulher que procurou a emergência de um plano de saúde com sintomas de síndrome viral gripal e recebeu apenas a recomendação de ficar em casa, e o caso de um idoso de 87 anos, que apresentou os mesmos sintomas e, ao procurar um hospital particular, recebeu também a mesma orientação de isolamento. Em nenhum dos casos foram realizados exames.

Para a reportagem, ela disse que entende que devem existir protocolos, mas é necessário verificar se eles estão sendo respeitados ou não estão sendo executados por falta de estrutura ou orientação, "daí o meu apelo e a necessidade de fiscalização".

Leitos

Ao falar sobre o aumento, de um para quatro casos de Coronavírus em Alagoas, a deputada externou também a preocupação com o número de leitos de UTI no estado, conforme dados da própria Secretaria de Estado da Saúde. “Temos 461 leitos de UTI no total. Desses, 140 são de UTIs neonatal, 56 de UTI pediátrica e 265 leitos adultos para os 102 municípios alagoanos”.

“É preciso prevenir, testar e isolar... Principalmente em um país e em um estado como o nosso, que não têm equipamentos suficientes de saúde para dar suporte às pessoas infectadas”, prosseguiu.

Além de alertar para a importância de ampliar, ao máximo os testes - que a partir de hoje passam a ser realizados também em Alagoas -, Jó cobrou das autoridades responsáveis reforçar a fiscalização sobre o preço dos produtos usados na prevenção da doença, como o álcool gel.

A parlamentar ainda voltou a apelar para que a Casa adote novas medidas de prevenção ao Coronavírus, como a realização de sessões telepresenciais e a discussão apenas de projetos emergenciais ou relacionados à pandemia, sendo adiadas as votações de matérias que necessitam da participação popular, para quando as pessoas voltem a ter acesso às dependências do parlamento.

“O parlamento precisa continuar atuando, mas não podemos perder a participação popular. É essencial que a sociedade seja ouvida e esteja envolvida... Não podemos continuar deliberando projetos que vão impactar a vida das pessoas sem que elas tenham oportunidade de participar legitimamente das discussões e decisões... A Casa do Povo, sem o povo, é apenas uma casa vazia”, frisou.