Chefão do Pinto da Madrugada fala como se fosse o rei do Carnaval e dono de Maceió

  • Redação
  • 18/02/2020 14:38
  • Blog do Celio Gomes

Numa decisão controversa, em 2010, o então governo de Alagoas, sob o comando do tucano Teotonio Vilela Filho, transformou o bloco Pinto da Madrugada em patrimônio imaterial da cultura. Não faz o menor sentido. A iniciativa serviu apenas para turbinar uma marca criada por uma patota há cerca de 20 anos. Quando recebeu o título, o bloco mal havia completado uma década de existência. A verdade é que o poder público se dobrou a um lobby particular, de um grupo de amigos que inventou um negócio pra ganhar dinheiro.

O Pinto é uma jogada que saiu da cabeça de médicos da Santa Casa. Ao longo dos anos, viveu às custas do dinheiro público. Pegou carona na ideia de prévias e passou a desfilar anualmente, na semana anterior aos quatro dias oficiais do Carnaval. Até aí tudo certo. Ocorre que, como falei, a festança só existia à base dos cofres da prefeitura e, principalmente, do governo do Estado.

Aliás, a turma gosta de falar em “tradição”. Tradicional mesmo era a chantagem que, todo ano, os diretores do bloco faziam junto às autoridades municipais e estaduais: ou tem dinheiro ou o bloco não desfila. Foi assim que, em 2017, esses abnegados senhores da “cultura alagoana” recolheram os carros e fantasias, e o Pinto não foi à avenida. Hoje, muita coisa mudou. A grana corre solta.

Muito bem. Como o leitor já foi informado aqui pelo CADAMINUTO, o chefão do Pinto, Hermann Braga, legítimo herdeiro dos altruístas fundadores, discursou para a multidão no último sábado durante o desfile. E o que foi que ele disse ao público? O homem fez um “desabafo”. Vi o vídeo divulgado pelos próprios organizadores. É surpreendente. Ele fala como se fosse rei de Maceió.

Resumindo a fala do rapaz, ele reclama da presença de outros blocos no sábado das prévias de carnaval. Hermann Braga quer exclusividade na avenida. Aos gritos, como se estivesse num palanque eleitoral, o diretor do bloco se mete a falar de “cultura alagoana” e explica por que ele mesmo e sua turma são craques em “fazer cultura”. Reproduzo abaixo o discurso deste senhor e comento adiante.

Eu vou ter que dar um aviso aqui bem rápido. E também fazer um agradecimento. Primeiro a essa orquestra e esse coral... E eu vou dizer outra cosa aqui pra vocês. Sábado é dia de Pinto da Madrugada! Sábado é dia de frevo! Sábado é dia da cultura alagoana! A gente vai ter que parar agora, porque a gente assinou um TAC e a gente respeita as leis. Cinco da tarde a gente tem que parar.

Mas em 2021, a avenida tá pequena pro Pinto da Madrugada. Sábado é dia de Pinto da Madrugada! Enquanto eu tiver forças, eu prometo a vocês, em 2021, essa avenida vai ter vinte orquestras de frevo. A gente não aguenta mais boicote. Boicote de quem não sabe fazer cultura. É hora do sábado do Pinto da Madrugada. Quem quer o sábado do Pinto da Madrugada, grita, grita, grita... Pinto da Madrugada, porra!Depois da discurseira, ele sai dando pinote ao som de um animado frevo.

Eu gosto particularmente desta parte: A gente não aguenta mais boicote. Boicote de quem não sabe fazer cultura. Boicote??!! Vejam que o cidadão, como falei, se apresenta como um fabricante de cultura. É um brincalhão. No vídeo, vê-se que o tom do discurso é raivoso. Braga se esgoela ao incitar o povo a apoiar suas palavras descabidas. Ele fala como se fosse autoridade que manda na cidade.

Do jeito que esse cidadão de bem se expressa, fica evidente o autoritarismo que salta de sua pantomima carnavalesca. Só faltava essa... Uma turma de endinheirados, cheia de privilégios, agora pretende ditar o que pode e o que não pode no espaço público em Maceió. Ele se incomodou porque há outros blocos – que também atraem muita gente – que saem durante as prévias.

A direção da Liga dos Blocos da capital respondeu ao nervosinho fantasiado de folião. Edberto Ticianeli acerta em cheio ao citar que o atraso no desfile se deve ao compromisso dos diretores do Pinto com emissoras de TV. Quem manda no horário do desfile deste “patrimônio imaterial” agora é a Rede Globo, que transmite ao vivo parte do evento. Sobre isso, Braga não explicou nada.

De fato, o Pinto da Madrugada se profissionalizou. É uma mina de dinheiro, um grande negócio, agora cheio de patrocinadores privados. E o repasse da prefeitura segue em dia, como se pode verificar no site do bloco. Não sei se o governo estadual continua a irrigar a pança do pintinho guloso. A arrogância do senhor Hermann Braga é patética. Carnaval é diversidade. E a rua é de todo mundo.