Foto: Cortesia Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true Comissão de delegados e peritos apresentam conclusão do caso Danilo

Durante uma coletiva de imprensa realizada na sede da Polícia Civil, em Maceió, nesta terça-feira (28), a comissão de delegados e os peritos deram mais detalhes sobre a morte do menino Danilo, de sete anos. Segundo o perito Wellignton Melo apesar de não ter sido possível coletar o material genético foi encontrado sêmen no ânus da criança. O delegado Eduardo Mero disse que o suspeito ameaçava a família e obrigava a esposa a fazer declarações contraditórias. 

“Foi coletado o material biológico e encontramos roupas de crianças em duas oficinas do suspeito. Depois o material foi encaminhado ao laboratório e foram realizados os exames”, afirmou o perito.

Leia Mais: "Ele tem todo o perfil de um psicopata", diz promotor ao apresentar denúncia contra padrasto

O perito também afirmou que foram encontradas lesões na cabeça da criança, com sangramentos fortes e sinais de esganadura. “Um conjunto de crimes que só faz caracterizar a crueldade que foi o crime”. Pelo sêmen que foi encontrado no ânus da criança, para a polícia, não há dúvidas de que o menor foi abusado sexualmente.

Suspeito controlava a família

O delegado Eduardo Mero enfatizou que José Roberto controlava a vida da mãe de Danilo, Dacinéia e que a dopava. “No dia da morte do Danilo, inclusive, tinha acontecido uma briga entre ela e José Roberto, e ela sugeriu uma separação”.

Além disso, o delegado disse que ele também obrigava a esposa a prestar declarações contraditórias e ameaçava a família dela. “Ele já sabia que a polícia suspeitava, então ele também acabou criando uma história de que teve tortura por parte dos delegados”, explicou.