Foto: Arquivo / Cada Minuto
Empresa Veleiro

Em nota enviada ao Cada Minuto, na noite desta sexta-feira (17), a Empresa Veleira desmentiu a informação, difundida por alguns veículos da imprensa, de que 30 ônibus da empresa teriam sido recolhidos. A viação também admitiu que vem sofrendo um desequilíbrio financeiro há alguns anos e que tanto a Prefeitura de  Maceió, quanto a Superintendência Municipal de Transporte e Trânsito (SMTT) tem conhecimento do fato.

Segundo a empresa, diversos ofícios foram protocolados, mas que não houve nenhum andamento e solução. A Veleiro explicou que recentemente a Prefeitura de Maceió contratou uma empresa de auditoria que apontou uma defasagem em todo o sistema de transporte de Maceió.

“Recentemente a Prefeitura de Maceió/AL contratou uma empresa de auditoria para apurar os prejuízos do setor do transporte, na qual apontou a defasagem de 26,57% do sistema todo de transporte. Como se vê, a auditoria já comprovou que há um prejuízo em todo o sistema, no entanto, a Empresa Veleiro é a mais prejudicada”, diz trecho da nota.

Quanto à informação de que 30 ônibus da empresa teriam sido recolhidos, a Veleiro disse que apenas três (3) veículos foram apreendidos, mas que já estão sendo tomadas providências para a devolução dos mesmos.

Na nota, a empresa pede pedindo cautela quanto a notícias distorcidas para não criar pânico desnecessário e frisa que os problemas enfrentados pela empresa “são causados exclusivamente pelo desequilíbrio econômico financeiro” e acredita que o subsídio por parte da Prefeitura de Maceió/AL é o caminho para que o usuário não seja onerado.

Desde a manhã dessa quinta-feira (17) motoristas e cobradores da Veleiro pararam as atividades reivindicando salários atrasados e outros benefícios garantidos aos trabalhadores. Cerca de 60 ônibus não circularam e apenas a linha Maceió/ Rio Largo está operando.

Ainda na quinta, informações de que a empresa estaria fechando e que a SMTT havia deligado a Veleiro do Sistema Integrado de Mobilidade de Maceió (SIMM). No entanto a informação foi negada pela empresa e pela SMTT.

Na tarde desta sexta-feira (17), parte da frota deVlewiro ônibus da empresa voltaram a circular.

 De acordo com a Veleiro,  as questões financeiras da empresa já estão sendo discutidas junto ao Ministério Público Estadual (MPE/AL), Tribunal de Contas do Estado (TCE-AL), Ministério Público do Trabalho (MPT) e demais órgãos competentes.

Leia a nota da Veleiro, na íntegra:

"A Empresa Veleiro vem informar que desde 2016 vem sofrendo um forte desequilíbrio econômico financeiro, o que é de conhecimento da Prefeitura de Maceió/AL e SMTT através dos diversos ofícios que já foram protocolados, no entanto, sem nenhum andamento e solução. 

Registra-se que o assunto vem sendo discutido junto com o Ministério Público Estadual, Tribunal de Contas do Estado, o Ministério Público do Trabalho, Procuradoria do Município de Maceió, SMTT e ARSER, ou seja, a empresa Veleiro sempre trabalhou com transparência demonstrando a sua situação ao público.

Recentemente a Prefeitura de Maceió/AL contratou uma empresa de auditoria para apurar os prejuízos do setor do transporte, na qual apontou a defasagem de 26,57% do sistema todo de transporte. 

Como se vê, a auditoria já comprovou que há um prejuízo em todo o sistema, no entanto, a Empresa Veleiro é a mais prejudicada.
Também, relembramos que a empresa está no ramo de transporte desde 1992, na qual sempre teve como meta o trabalho com zelo, eficiência e profissionalismo para com a população.

Apesar de todos os obstáculos que a Veleiro vem enfrentando e superando, deve ser esclarecido que as notícias que estão sendo veiculadas de que foram recolhidos 30 (trinta) veículos não são verídicas.

Informamos que tal informação é equivocada, uma vez que foram apreendidos 03 (três) ônibus, no entanto, a determinação foi sustada pelo Poder Judiciário, o que levou a suspensão do referido procedimento e estão sendo tomadas as medidas necessárias à devolução destes.

Assim, solicitamos cautela quanto à noticias distorcidas que estão sendo veiculadas, até para não criar um pânico desnecessário.

Frisa-se que todos esses obstáculos são causados exclusivamente pelo desequilíbrio econômico financeiro e acreditamos que o melhor caminho é o subsídio por parte da Prefeitura de Maceió/AL para que o usuário não seja onerado.

Sendo esse cenário, esperamos que tudo seja resolvido o mais breve possível e pedimos desculpas pelos transtornos. Por fim, alertamos aos Órgãos Públicos a necessidade de resolver os déficits do sistema de transporte e que os mesmos deem mais atenção aos problemas expostos desde 2016."

 

*Estagiária sob supervisão da editoria