Ascom Sesau/Arquivo Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true Hospital Geral do Estado (HGE)

O Hospital Geral do Estado (HGE) atendeu em 2019 mais de 550 pessoas vítimas de queimaduras em todo o estado. Os dados mostram que as mulheres são as maiores vítimas, em decorrência do acidente doméstico considerado uma das principais causas. Somente no ano passado foram atendidas 285 mulheres e 267 homens.

Para o médico especialista em queimaduras, Fernando Gomes, a proibição da venda do álcool líquido poderia evitar a maioria dos casos registrados não somente no HGE, como em todo o país. “Existe legislação que impede o uso do álcool e a venda do álcool líquido porque ele é um agente muito grave. O Tesouro Estadual e Federal gastam muito com tratamentos dos pacientes que poderiam ser evitados com a proibição do uso do álcool líquido”.

Outro causador são as queimaduras provocadas por choque elétrico, tanto em crianças, adultos, que de forma desavisada realizam procedimentos que podem provocar danos gravíssimos.

“As queimaduras elétricas têm uma entrada e saída, que dependendo da extensão, podem provocar danos gravíssimos e a cirurgia plástica tem um papel fundamental fazendo um reblindamento, retirando os tecidos ecróticos das áreas atingidas. Desde o reblindamento até os enxertos de pele. Pele do próprio paciente que é usada para recobrir áreas de queimaduras de grandes extensão e profundidade. A sequela do grande queimado é muito grave porque ela pode provocar sequela na imagem, inclusive pode ter lesões na face que desfigura completamente”, explica o médico.

Classificação da queimadura

As queimaduras são classificadas em queimaduras de 1°, 2°, 3° e até 4° grau. As de 1° grau, normalmente você tem uma vermelhidão mais interna. Mas que a dor é insuportável. No geral elas provocam muitas infeções.

Já as queimaduras de 2° grau são caracterizadas pela presença da gonha. Essas gonhas são profundas e os danos são graves. As de 3° grau queimam a pele como um todo. A epiderme, derme e subcutânea. Também pode atingir toda a espessura e causar ferimentos musculares, que são as queimaduras de 4° grau.

“E a gravidade disso tudo depende da localização. Queimaduras na mão de 3° e 4° grau são de gravidade maior e tem que ser hospitalizado. Uma criança que tem queimadura na face, nos órgãos genitais, em áreas de dobras, ela tem que ser hospitalizada. Quanto maior a área, maior a gravidade, mesmo sendo de até 2° grau. E se for uma criança ou idoso, essas lesões causam um dano muito extenso. Tudo depende da extensão e da profundidade”, disse o médico.

Cirurgia Plástica

Segundo Fernando Gomes, em Alagoas existem cirurgiões que tratam as queimaduras na fase aguda, intermediária e na fase da sequela, além do tratamento disciplinado da fisioterapia que é necessário. “É fundamental em todas as fases: recuperação pós-cirúrgica, fase intermediária, no tratamento das sequelas. E a Psicologia também. É um tratamento que envolve muitos profissionais: a enfermagem, auxiliar de enfermagem, médico cirurgião plástico, o clínico que é muito importante para dar o suporte para conter a dor. Além do anestesiologista, fisioterapeuta, Psicólogo, que dão suporte a esses pacientes que possuem uma sensibilidade muito grande e que envolve a família. É um clamor social”.