Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true

Sebastião Pereira de Moraes, o “Basto Peroba” 76 anos, morreu na madrugada desta sexta-feira (13), no município de Bom Conselho, em Pernambuco. O sanfoneiro faleceu em consequência de complicações provocadas por um infarto.

A noticia foi enviada ao blog  pelo amigo radialista Ronson Caetano de Palmeira dos Índios comunicando a triste notícia do falecimento no dia que se comemora o nascimento do Rei do Baião,Luiz Gonzaga, perdemos nosso grande ícone da música, chamado Basto Peroba.
A sanfona de Bastos se cala para nunca mais tocar sob seu comando. Só nos resta lamentar a sua partida e agradecer pelo que ele fez pela nossa cultura e pela nossa cidade.
O brilho de Bastos  Peroba não estava apenas no abrir e fechar da sanfona, o que fez com maestria. Mas também, na elegancia da simplicidade contida na alma de um homem comum. Adeus Bastos Peroba. O sepuçtamento será as 17 horas desta sexta-feira (13) na cidade de Bom Conselho -Pernambuco. 

Carreira Musical

A carreira de Basto Peroba foi iniciada quando ele ainda era criança, em Bom Conselho, interior de Pernambuco, cidade onde nasceu e vive até hoje. Ele ganhou uma sanfona de 12 baixos de seu pai, Manoel Pereira de Moraes, e começou a acompanha-lo nas festas juninas. Tocou em vários casamentos, batizados e aniversários, até que conheceu o maestro José Duarte Tenório, o José Puluca, e foi convidado para integrar a banda principal do maestro.

Foi um dos fundadores dos Tremendões de Palmeira dos Índios . Músicos como o Manoel Morais (Mané Morais) e o José Soares (Zezé) tocaram com Bastos Peroba. Em sua trajetória musical, além de Dominguinhos, Basto Peroba também teve a oportunidade de acompanhar cantores como Jeri Adriani, Waldick Soriano, Luiz Gonzaga e Wanderley Cardoso.

Seu primeiro LP foi gravado com Vavá Machado e Marcolino em Recife, e logo em seguida formou seu grupo musical “Basto Peroba e Banda”. Com seu nome lançado no mercado musical, fez muito sucesso nos grandes clubes e casas noturnas de várias cidades brasileiros, levando o seu forró genuíno forró pé-de-serra.