Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true

              A trajetória política de Silvestre Péricles de Góis Monteiro iniciou-se no ano de 1935, quando em maio de 1935 a Assembleia Legislativa de Alagoas realizou as eleições para o governo do Estado e Silvestre Péricles foi derrotado por Osman Loureiro. Silvestre afastou-se da vida pública e só veio a disputar novamente um cargo político após o fim do Estado Novo (1937/1945).

            Nas eleições de 1945 as ações políticas no Estado foram comandadas pelos Góis Monteiro, família  da qual pertencia Pedro Aurélio, Ministro da Guerra de Getúlio Vargas. Graças aos vínculos com o poder, o referido clã empenhou sua força política na criação do PSD e assim o partido elegeu os dois senadores e os seis dos nove deputados federais que representariam os alagoanos no Congresso Nacional, situado àquela época no Rio de Janeiro. Silvestre Péricles (PSD) foi o deputado federal mais votado, com uma votação de 6.105 votos.

           A eleição de 1947 foi realizada durante a presidência de Eurico Gaspar Dutra (PSD). A hegemonia da política alagoana estava sob o domínio da família Góis Monteiro, que comandava o PSD em Alagoas e Pedro Aurélio de Góis Monteiro era o chefe político da família. Silvestre Péricles de Góis Monteiro (PSD), foi escolhido do grupo para ser candidato ao governo do Estado. O adversário de Silvestre foi Rui Palmeira (UDN). Silvestre foi eleito com 33.900 votos (59,71%) e Rui ficou em segundo lugar com 22.876 votos (40,29%). O governo de Silvestre foi marcado, desde o início, por um clima de intensa violência política.

           Silvestre Péricles (PSP), nas eleições de 1954, foi candidato ao senado, obtendo uma votação de 8.763 votos (4,05%),  ficando em 5º lugar das duas vagas em disputa. Em 1956, já no governo de Juscelino Kubitschek, foi nomeado Ministro do Tribunal de Contas da União (TCU).

           Nas eleições de 1958, Silvestre (PST) foi mais uma vez candidato ao senado da República, tendo sido eleito em 1º lugar com 51.816 votos (46,72%). Em dezembro de 1963, Silvestre travou áspera discussão no plenário do Senado com o Senador Arnon de Melo e este tentou matá-lo, mas o tiro acabou ferindo mortalmente José Kairala, suplente do senador José Guiomard, do Acre.

            Silvestre Péricles (PSD), nas eleições de 1962, apesar de encontrar-se em pleno exercício do mandato de senador, candidatou-se a deputado federal, não conseguindo se eleger, obtendo apenas 370 votos.

           Em janeiro de 1967, Silvestre concluiu seu mandato no Senado e nas eleições de 1970 tentou retornar à carreira política, candidatando-se a deputado federal pelo MDB, obtendo uma votação inexpressiva de 2.479 votos, amargando uma humilhante derrota.

            Silvestre Péricles faleceu em Brasília no dia 13 de  novembro de 1972.