Reprodução Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true Delegado Rubens Martins

Após a última assembleia geral realizada pelos delegados da Polícia Civil de Alagoas (PC/AL), desde domingo (1), diversos profissionais entregaram o comando das delegacias que cumulavam no Estado, principalmente nas regiões do interior de Alagoas.

A decisão dos profissionais, tomada durante o encontro realizado no dia 25 de novembro, foi de não mais acumular delegacias sem que haja a devida remuneração e também de cumprir a carga horária exigida - que corresponde a 40 horas semanais.

Devido à decisão da categoria, a estimativa é que 54 delegacias fiquem sem delegado titular por falta de profissionais para o cargo, visto que alguns delegados estavam atuando em mais de uma unidade de segurança e ficando sobrecarregados na função.

O que chamou a atenção dos profissionais, após a decisão da categoria, é que um dos profissionais, o delegado Everton Gonçalves, foi afastado da Delegacia Regional de Arapiraca. O delegado responde também pela Delegacia de Homicídios do município e por outras cidades do Estado, como Craíbas e Feira Grande.

Após a decisão, o Sindicato dos Delegados da Polícia Civil de Alagoas (Sindepol/AL) e a Associação dos Delegados de Polícia (Adepol/AL) divulgaram uma nota repudiando a exoneração do delegado que, segundo eles, foi retirado do cargo em virtude de ter, conforme decisão dessas instituições, “entregue” as seis delegacias que cumulava antes da decisão tomada em assembleia.

Em entrevista à reportagem do CadaMinuto, o presidente do Sindepol/AL, Rubens Martins, disse nesta quinta-feira (5), que toda a categoria ficou muito decepcionada com essa decisão porque o delegado Everton é um profissional que tem se destacado nacionalmente.

“Ele [o delegado] foi responsável pela reestruturação da Delegacia de Homicídios de Arapiraca. Hoje, ele é instrutor e professor dos cursos de homicídio da Secretaria Nacional de Segurança Pública do Governo Federal e, inclusive, recebeu um convite para ir trabalhar em Brasília”, detalhou Rubens.

Ao falar sobre o afastamento do colega, Rubens explicou que “o que mais incomodou a categoria foi a questão de que não foi apenas o Everton quem acatou e respeitou as decisões tomadas em assembleia enquanto delegado regional; mas que, até o momento, ele foi o único afastado, o que nos causa um certo espanto”, disse.

Questionado sobre os próximos passos a serem adotados pelos profissionais, o presidente do Sindepol informou que o sindicato e a Adepol estão aguardando um posicionamento do Governo do Estado para então convocar, se for o caso, uma nova assembleia geral.

Lei 12.830

Ainda sobre o afastamento do delegado Everton Gonçalves da regional de Arapiraca, o presidente do Sindepol informou que, segundo a Lei 12.830, de 2013, o delegado só pode ser removido mediante uma justificativa.

O 5º Artigo da Lei, sancionada pela até então presidente Dilma Roussef, diz que “a remoção do delegado de polícia dar-se-á somente por ato fundamentado”.

Categoria unida

Ainda em nota, a Adepol e o Sindepol pedem que, por lealdade, os profissionais da Polícia Civil rejeitem qualquer cargo comissionado na área enquanto os impasses não forem resolvidos.

Conforme Rubens, até o momento, nenhum delegado se prontificou a assumir o lugar do delegado Everton. “A gente espera que isso não aconteça  porque a categoria unida é mais forte. Nós estamos lutando por interesses comuns que atingem a todos.

Confira a nota na íntegra:

A Associação dos Delegados de Polícia e o Sindicato dos Delegados de Polícia repudiam veementemente a exoneração do delegado Everton Gonçalves da Delegacia Regional de Arapiraca. O Delegado Everton Gonçalves vem desempenhando um papel muito importante dentro da Polícia Civil de Alagoas e foi retirado do cargo em virtude de ter, conforme decisão dessas instituições, “entregue” as 06 Delegacias que cumulava. 

A Adepol e Sindepol afirmam que todos os associados e sindicalizados DEVEM, em homenagem à eficiência do serviço público e LEALDADE, rejeitar qualquer cargo comissionado da Polícia Civil de Alagoas enquanto não forem resolvidos todos esses impasses. 

Adepol e Sindepol convocam todos os demais delegados que cumulam delegacias a entregarem as mesma, conforme decisão em Assembleia do dia 25/11/2019. 

 

*Estagiária sob supervisão da editoria