Foto: Divulgação / Redes Sociais
Banda Verjah

O Circuito Penedo de Cinema traz para a região, além de extensa gama de atividades educativas, uma programação cultural que valoriza os artistas alagoanos. A partir desta sexta (29) até domingo (1), a Praça 12 de Abril, localizada no Centro Histórico da cidade, receberá shows de bandas locais e, também, de Arapiraca e Maceió. O evento é aberto ao público e acontece a partir das 23h.

Na sexta (29), reggae é o estilo das duas atrações locais que se apresentam no festival. A banda Raiz Positiva abre a noite e promete transmitir boas energias, por meio de um repertório autoral, com letras profundas e reflexivas, além de um instrumental bastante melódico e místico. Em seguida, o grupo Verjah expressa sua musicalidade com uma mensagem de paz, igualdade e amor. Essa banda já é bastante conhecida na região por realizar tributos ao cantor jamaicano Bob Marley. Em 2018, seus integrantes participaram do festival Em Cantos de Alagoas, em Maceió, onde apresentaram a música de própria composição Riqueza Natural, a qual relata a rotina de seus músicos e a beleza e história da terra natal.

No sábado (30), é a vez do rock alternativo penedense entreter o público. A atração Princípio Autoral também traz canções próprias que retratam sentimentos, fazem reflexões sobre o cotidiano e abordam questões políticas e sociais, como a música Lama, que se refere à tragédia de Brumadinho, em Minas Gerais, e Suor e Sangue, sobre a exploração da mão-de-obra no cultivo da cana-de-açúcar. O grupo acredita que “a música é, também, um instrumento de conscientização, na medida em que se mostra como verdadeiro mecanismo de reflexão e resistência”. Logo após, Rota 013, conhecida por fazer cover da banda Charlie Brown Jr., garante agradar ao público diverso com seu estilo. O grupo atua na região desde 2013, já fez aberturas de shows nacionais de rock, como Detonautas, e várias apresentações nas capitais do nordeste. 

Para encerrar o Circuito Penedo de Cinema, no domingo (1), a cidade receberá as bandas Quiçaçá, de Arapiraca, e Atrito 82, de Maceió. Ambas com estilos musicais híbridos que reforçam a singularidade de suas canções. Os arapiraquenses vêm arrastando o pé e levantando poeira ao som do reggae. Tornaram-se conhecidos por serem “a gênese do Reggae Rural Progressivo e Psicodélico” ao trazer para o público “um ambiente sonoro voltado para a voz do mato seco e do sertão, e ainda a voz de quem não tem voz”. Suas composições fizeram parte da trilha sonora original do premiado filme alagoano Besta Fera. 

Já os maceioenses agregam ao rock os ritmos nordestinos, como forró pé-de-serra, maracatu, guerreiro, coco de roda, reisado, e outros. Eles denominam seu estilo sonoro como Rock Cabra Macho e suas letras enaltecem os heróis do sertão. Em suas vestes, misturam o chapéu de couro e a camisa xadrez com as clássicas roupas pretas do rock. Em razão de suas canções irem de encontro à conjuntura musical atual, optaram pelo nome ‘Atrito’ e acrescentaram ‘82’ para identificar suas origens, uma vez que esse é o número do prefixo telefônico do estado de Alagoas.

O Circuito é uma realização do Instituto de Estudos Culturais, Políticos e Sociais do Homem Contemporâneo (IECPS), da Secretaria de Estado da Cultura (Secult) e da Universidade Federal de Alagoas (Ufal), com patrocínio do Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco (CBHSF), da Prefeitura de Penedo e do Sebrae Alagoas.

*com Assessoria